JF Diório/Estadão
JF Diório/Estadão

Online, MBA dá flexibilidade, mas cobra disciplina

Desafio é seguir uma rotina organizada, para aproveitar economia de tempo e de dinheiro no preço do curso

Luciana Alvarez, Especial para o Estado

27 Junho 2017 | 03h00

A primeira vez em que Antonio José Barata se matriculou em um MBA, acabou deixando o curso pela metade. “Recebi uma proposta de trabalho no exterior e tive de interromper o MBA”, conta. Passou oito anos fora do País, voltou ao Brasil, começou a empreender na área de energia solar e decidiu, mais uma vez, entrar em um MBA. “Mas agora preferi fazer em EAD. Assim, se aparecer alguma oportunidade de trabalho em outro lugar, não preciso largar o curso.”

Está fazendo gerenciamento de Projetos na Fundação Getulio Vargas (FGV) e não se arrepende da opção. “Vi ainda outras vantagens, como não perder tempo no deslocamento e ter a disponibilidade do professor a todo momento”, diz o empresário. O principal desafio foi estabelecer uma disciplina para os estudos. “De início tive dificuldade, até incorporar à rotina. A plataforma ajuda bastante porque vai acumulando dados sobre seus estudos, mostra suas estatísticas. É uma forma de avaliação de quanto você se dedica”, explica. 

Conseguir se organizar para estudar sem horário e local preestabelecidos é uma das grandes dificuldades de quem opta por se matricular em cursos a distância, em qualquer etapa da sua formação. Mas esse é um problema contornável, garante Gerson Lachtermacher, diretor de Programas e Processos Acadêmicos da FGV. “O controle do tempo e a concentração para o estudo são aprendizados também. No decorrer do curso online, os alunos aprendem essa competência importante, que vai ser muito útil no trabalho.”

Na visão de Lachtermacher, o aluno do EAD sai com competências extras, para além do que é aprendido no presencial. Mesmo o networking, que a princípio pode parecer comprometido, acaba se estabelecendo de outras maneiras entre os participantes do curso. “Hoje é possível contratar programadores na Índia porque sai mais barato. Você trabalha a distância, pode fazer networking a distância. E fica muito rico porque montamos grupos para trabalhos com pessoas espalhadas pelo Brasil, que trazem experiências diversas”, afirma.

Questões culturais

O gerente de projetos em Tecnologia da Informação (TI) José Freitas tem um horário flexível de trabalho e se adaptou bem ao MBA em EAD. Ele cursa Gestão de Projetos no Ibmec e conta que até agora só viu pontos positivos. “Às vezes tenho uma tarde livre, que eu aproveito para estudar. Se fosse no presencial, teria de esperar e me deslocar no horário determinado”, afirma. Outra grande vantagem para ele foi do ponto de vista financeiro. “A diferença de custo é bem grande.” 

Freitas sente, contudo, que alguns colegas ainda têm dificuldade com a modalidade. “Temos de participar, explorar todos os recursos que a instituição oferece. No grupo de WhatsApp da classe, estou sempre estimulando meus colegas a serem mais ativos”, conta o gerente de projetos. 

O diretor de ensino EAD do Ibmec, Pedro Regazzo, explica que a instituição oferece diferentes canais de interação, como fóruns sobre cada uma das aulas e momentos de encontros ao vivo, via internet, em que todos os alunos podem se ver e falar. “Pela plataforma é possível ter uma boa interação. Os alunos se conhecem, trocam ideias, e o professor atua como um mediador”, explica. 

Se a tecnologia cumpre o papel de quebrar as barreiras da distância física, o tempo tem ajudado a acabar com a barreira do preconceito com o EAD. “À medida em que o mercado percebe que o aluno do EAD tem o mesmo conhecimento e é ainda alguém mais disciplinado, as distinções entre as modalidades somem.” Além disso, a certificação é exatamente a mesma para o curso, independentemente de a modalidade escolhida ser presencial ou a distância. 

FGV

Curso: MBA em Gerenciamento de Projetos

Início das aulas: 30/9

Duração: 14 meses

Custo: R$ 22.144,50 (em São Paulo) - preço pode variar de acordo com a cidade do polo 

Site: fgv.br/mbaonline

Ibmec

Curso: MBA em Gestão de Projetos

Início das aulas: 8/8

Duração: 18 meses (3 semestres)

Custo: R$ 15.427,34 

Site: ibmec.br

ESPM

Curso: MBA em Marketing

Início das aulas: 21/8

Duração: 4 semestres

Custo: R$ 698 mais 26 vezes de R$ 641 

Site: espm.br

Fiap

Curso: MBA em Gestão de TI

Início das aulas: 30/9

Duração: 12 meses

Custo: R$ 17.119, 14 à vista 

Site: fiap.com.br

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

‘A educação do futuro será a distância’

'Cursos engessados, em que o professor só joga apostila em PDF na internet, não vão longe'

Entrevista com

Leandro Morilhas, coordenador da FIA

Luciana Alvarez, Especial para O Estado

27 Junho 2017 | 03h00

Hoje a Fundação Instituto de Administração (FIA) oferece 25 programas de MBA, todos presenciais. Mas, de acordo com Leandro Morilhas, coordenador de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão da FIA, a instituição entrou com o processo de credenciamento no Ministério da Educação (MEC) e, se tudo seguir dentro do prazo esperado, lançará seu primeiro MBA a distância no início de 2018. Haverá ainda outras opções de pós-graduação em EAD. 

Por que a FIA decidiu entrar no segmento de MBAs em EAD agora?

Há motivos internos e externos à instituição. Internamente, temos tradição na formação executiva, começamos em 1993 com um programa de MBA e fomos ampliando o leque. Oferecer MBAs em EAD faz parte de uma expansão constante do portfólio de produtos. Já temos mais de 70 cursos a distância, em geral livres, mais curtos, além de algumas disciplinas da graduação. Agora estamos prontos para a entrada de cursos mais extensos em EAD, caso dos MBAs.

E quais são os motivos externos?

Analisando o mercado, enxergamos boas oportunidades. Há problemas no deslocamento nos grandes centros urbanos. Há também pessoas em outras partes do Brasil, fora das metrópoles, com interesse nesse tipo de formação. Além disso, é cada vez maior o número de profissionais buscando qualificação. A princípio vamos atuar no Estado de São Paulo, mas pretendemos ir a outras regiões. 

Qual a principal diferença entre oferecer um curso presencial ou em EAD?

O que oferecemos é ensino de qualidade. Esse é o fim. Ser presencial ou EAD é um meio. Posso também ter pós-graduação blended (misturada), com partes presenciais e outras online. O que muda é uma maior preocupação com aspectos tecnológicos, pensar em metodologias específicas e ter um bom suporte de tutores. 

O EAD vem crescendo de forma acelerada há mais de uma década. Ainda existe espaço para expansão?

Sim. Nosso modelo educacional clássico, centrado na figura do professor, teve origem na Idade Média. Está havendo uma mudança, com o processo mais centrado no aluno, algo que o EAD proporciona. Apostamos que a educação do futuro vai ser a distância. Hoje o estudante já pode ter a sala de aula na palma da mão. Mas vejo um crescimento com a tendência de oferecer conteúdos práticos, com foco em como fazer. Cursos engessados, em que o professor só joga apostila em PDF na internet, não vão longe. O modelo que vai crescer é um mais dinâmico, que leve o aluno a campo, que mostre como aplicar na prática as teorias.”

Mais conteúdo sobre:
Pós-graduação FIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.