Olimpíada de Língua Portuguesa buscará 6 milhões de alunos

Programa se segue ao projeto Escrevendo o Futuro, da Fundação Itaú Social, e oferecerá apoio didático

Renata Cafardo, de O Estado de S. Paulo,

19 de fevereiro de 2008 | 20h10

O Ministério da Educação e a Fundação Itaú Social lançaram, nesta terça-feira, 19, em São Paulo, a primeira Olimpíada de Língua Portuguesa do País. A expectativa é de que 6,2 milhões de alunos participem, escrevendo textos em poesia, prosa e artigos de opinião. "Não se trata apenas de um concurso de redação, que simplesmente pede para as crianças escreverem", diz a secretária da Educação Básica do MEC, Maria do Pilar Lacerda.   A Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro - o nome vem de um programa de estímulo à escrita desenvolvido há anos pela Fundação Itaú Social - vai oferecer capacitação em português e enviar material didático para os professores.   O vice-presidente da fundação, Antonio Matias, explica que o programa da entidade será ampliado para atingir todas as escolas públicas. Espera-se aumentar o número de escolas participantes, de 15 mil, na última edição, para 80 mil.   O tema dos textos - o "Lugar onde Vivo" - continua sendo o mesmo usado nas três edições do Escrevendo o Futuro. "Temos a preocupação também de aproximar a escola da comunidade. Escrever sobre o lugar onde moram é uma maneira de fazer isso", diz.    A olimpíada terá três categorias, que premiarão separadamente. Alunos de 4ª e 5ª séries vão fazer poesia; os de 7ª e 8ª, textos de memória, em que entrevistam um morador antigo da região e escrevem como se estivessem contando as recordações. Os alunos de 2º e 3º ano do ensino médio farão artigos de opinião.   As oficinas para a olimpíada devem fazer parte da própria grade curricular. A seleção dos primeiros 134 mil trabalhos será feita por representantes de pais e professores. Depois, haverá outras seleções até chegar aos 15 vencedores. O regulamento pode ser encontrado no site da Olimpíada.

Tudo o que sabemos sobre:
língua portuguesamecolimpíada

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.