Ocupação da reitoria da USP será por tempo indeterminado, diz sindicato

Prédio foi invadido na manhã desta terça-feira por servidores que pedem a reabertura das negociações

Estadão.edu

08 Junho 2010 | 13h43

 

O Sindicato dos Trabalhadores da Universidade de São Paulo (Sintusp) divulgou nota informando que a ocupação do prédio da reitoria da instituição será por tempo indeterminado, "até que não tenhamos mais as privações impostas pelo reitor da USP, a mando do governador do Estado de São Paulo, em exercício, Alberto Goldman e de seu antecessor, José Serra".

 

O edifício foi invadido e ocupado na manhã desta terça-feira por servidores técnicos e administrativos, que mantêm as atividades paralisadas há 35 dias. Eles pressionam o reitor João Grandino Rodas pela reabertura das negociações e pelo pagamento dos dias descontados.

 

Leia também:

 

Grevistas da USP invadem e ocupam prédio da reitoria

 

Grevistas da USP divergem sobre invasão da reitoria

 

Após impasse, grevistas da USP fazem assembleia dentro da reitoria

 

Presidente do Cruesp diz que isonomia entre servidores não existe

 

Segundo o Sintusp, cerca de mil funcionários tiveram seu ponto cortado por ordem da reitoria. Referindo-se a Rodas, a nota diz que o ato desta manhã foi "em defesa dos trabalhadores, que não podem ser privados do direito de alimentar seus filhos e honrar seus compromissos financeiros por conta da irresponsabilidade e insensatez de um senhor que diz dialogar com a Comunidade Uspiana, mas que na prática não permite o exercício democrático de manifestação e greve".

 

A USP ainda não se manifestou sobre a ocupação. Desde o dia 26 de maio, a instituição tem mandado de reintegração de posse dos prédios bloqueados por funcionários em greve.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.