OAB quer controle externo para cursos de Direito

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) apoiou ontem o controle externo nos cursos de Direito no País, uma tese defendida no final de semana pelo ministro da Educação, Tarso Genro. Segundo o presidente da OAB, Roberto Busato, a medida, se adotada, poderá representar um grande avanço para disciplinar a proliferação dos cursos jurídicos no Brasil. A Ordem se ofereceu para fazer o controle da criação de novas faculdades de Direito."A opinião da Ordem passaria a ser vinculante com relação à instalação de novos cursos jurídicos", disse Busato. Segundo ele, a instituição tem hoje advogados sérios que poderiam contribuir com o governo nesta questão. "São profissionais descomprometidos em relação à mercantilização que está ocorrendo no ensino jurídico no País". Busato afirmou, ainda, que antes do encontro realizado entre a OAB e Tarso Genro, no dia 12 de fevereiro, estava havendo uma proliferação de cursos sem levar em consideração a necessidade social. Hoje, já são 763 faculdades de Direito no Brasil. "O Conselho Nacional de Educação (CNE) estava sendo extremamente liberal nas autorizações".

Agencia Estado,

07 de março de 2004 | 22h59

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.