O sonho da carreira estável

Concurseiros devem escolher área para a qual desejam concorrer a uma vaga

Carlos Lordelo, do Estadão.edu,

31 Janeiro 2012 | 01h55

Pergunte a qualquer concurseiro e ele dirá que o salário no serviço público, aliado à estabilidade na carreira, fazem valer a pena uma rotina puxada de preparação em busca da vaga dos sonhos. Veja o caso, por exemplo, da advogada Kácia Sandrelly, de 33 anos: ela chega ao cursinho às 7h30 e começa a estudar. Faz pausa para o almoço às 11h. Às 12h30, volta para os livros. Toma café às 16h e, 30 minutos depois, pega a última matéria do dia. Vai para a academia às 18h45 e, depois, para casa. Finalmente, descansa.

 

Kácia vive sob a ditadura do cronômetro de segunda a sábado. Candidata a uma vaga na Defensoria Pública de São Paulo, ela foi reprovada na primeira vez que prestou o concurso e resolveu largar o emprego para se dedicar integralmente à preparação. “Percebi que era desleal concorrer com quem só fazia estudar. Juntei dinheiro e saí do trabalho”, diz. Fez cursinho por um ano e, há 6 meses, estuda sozinha. Espera uma nova chance este ano. “Todo dia, o que me move é a possibilidade de trabalhar naquilo que gosto e ter uma carreira estável.”

 

Estudar metodicamente é fundamental para quem deseja passar em algum das dezenas de concursos que abrem vagas todo ano. Mas isso não é fácil, reconhecem especialistas. “Seguir um cronograma dói, enche o saco, mas os cargos que pagam melhor demandam mais preparação”, diz Paulo Estrella, diretor pedagógico do cursinho Academia do Concurso.

 

Quem está começando do zero deve analisar as opções de acordo com o nível de escolaridade exigida para o cargo. Depois, escolha uma área: fiscal, policial, ambiental, etc. Isso porque, de um concurso para outro da mesma área, o conteúdo se repete quase por completo. Outra dica: participe de todos os exames cujas provas são semelhantes, pois isso ajuda a manter o estímulo.

 

Fique atento à divulgação do edital. Analise o documento com calma, não só para checar os assuntos cobrados, mas também o prazo de inscrição. A partir daí, determine um horário para estudar todo o conteúdo até o dia da prova. “O importante é ter um bom material, disciplina e dedicação”, afirma Ana Carolinni Monteiro de Barros, diretora do cursinho FMB.

Mais conteúdo sobre:
Educação Concurso Público Preparação

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.