WILTON JUNIOR / ESTADÃO - 30/11/2021
WILTON JUNIOR / ESTADÃO - 30/11/2021

O professor que transforma praças em salas de aula

Paradas por quase dois anos com a pandemia, aulas do projeto Adote um Aluno voltam a praças do Rio

Márcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

14 de dezembro de 2021 | 05h00

Quando a reportagem chegou à Praça Mauro Duarte, em Botafogo, zona sul do Rio, o engenheiro eletricista aposentado Silvério Moron pendurava um cartaz do seu projeto, Adote um Aluno, numa das mesinhas de concreto do lugar. Uma mulher que passava acenou e avisou: "Meu pivete não vem hoje, tá doente." Minutos depois, chegaram Hugo – que, aos 9 anos, precisa aprender a divisão por dois algarismos – e Pedro Carlos – que, aos 63, quer saber calcular logaritmos.

Criado por Moron, o Adote um Aluno está renascendo após quase dois anos de recolhimento com a pandemia. O projeto completará quatro anos em março. O Estadão contou sua história em setembro de 2019, época em que a ação reunia 50 voluntários e 300 pessoas de todas as idades para "desenvolver a educação!", como gosta de dizer o engenheiro e professor. 

Esse número foi para 90 voluntários e 450 alunos espalhados por nove praças da capital, duas de Niterói e uma de Cabo Frio em março de 2020. Aí veio a covid-19. "Dei aula a distância por WhatsApp durante a pandemia. Acho (o app) mais objetivo, eles tiram foto das dúvidas, dos exercícios, me enviam, e eu retorno explicando a dúvida", conta Silvério. "Ajudei em torno de 20 alunos dessa forma, por um ano e sete meses."

Silvério voltou à Mauro Duarte em outubro. Aos poucos retoma seus alunos e voluntários. Em menos de dois meses, já reuniu 16 pessoas dispostas a ensinar e 20 querendo aprender. Gente em busca de todo tipo de aprendizado.

Alunos

Aluno da 4ª série de uma escola que fica próxima da praça, Hugo Barbosa passou a frequentar as aulas de Silvério e de Mônica Coelho, uma voluntária, atrás de respostas para as dúvidas sobre divisão. Quem o levou foi a avó, Elizabeth. Ela também aproveitou para aprender algo. "Como eu já estava aqui, em vez de ficar à toa, decidi aprender coisas básicas de inglês", contou Elizabeth, que tem 61 anos. 

"O Hugo vem de segunda a quinta. O custo para contratar aulas particulares é muito caro, nem todo mundo pode pagar, ainda mais depois de uma pandemia, pois muita gente perdeu trabalho."

Quem também elogiou a iniciativa foi o escritor Pedro Carlos Csou. Deficiente visual, ele buscou ajuda de Silverio às vésperas das provas do Enem. "Matemática, para quem não enxerga, é muito difícil", explicou. "Eu não sabia logaritmo e recorri a ele para tentar entender", explicou. "Você não vê nada e vai acumulando, espelhando tudo no cérebro. Tive duas aulas com o Silvério e percebi que o cara é bom, ele conhece. Se tivesse caído logaritmo no Enem, eu saberia tudo."

Não há nenhuma exigência ou pré-requisito para ter aulas com algum voluntário do Adote um Aluno. "O projeto é muito simples: a sala de aula é uma praça a céu aberto. É só chegar, não precisa marcar nada. Acho fundamental que os espaços públicos sejam ocupados com educação", diz Silvério. 

Sonho

"São 181 bairros na cidade do Rio. Nosso objetivo é que em cada um desses bairros tenha uma praça desenvolvendo a educação, mas para isso é muito importante a adesão de um morador de cada bairro para compartilhar seu conhecimento", pontuou o engenheiro, que decidiu promover aulas na praça pela situação difícil do ensino público.

"Dou aula particular desde 2003, e é muito triste uma pessoa que trabalha no mundo da educação ver a educação da sua cidade regredir em vez de progredir", lamentou. "Fui aluno de escola municipal em 1970 e tive ensino de excelência. É muito triste ver que isso regrediu, então optei por vir à praça pública, perto de dois colégios municipais, justamente para atender a esses alunos."

Mônica Coelho, engenheira eletrônica aposentada, decidiu ser voluntária por razão semelhante. "Minha irmã é professora em escola pública, e sabemos que a escola não dá condições de acompanhar cada aluno."

Sempre sorrindo e disposto, Silvério ficou com a voz embargada ao responder ao Estadão se acredita que a educação no Brasil ainda pode dar certo. "Se não acreditasse nisso, eu não estaria na rua", afirmou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.