O benefício da diversidade social na escola

Valmor Bolan * Um recente estudo intitulado: Metrópoles, desigualdades socioespaciais e governança urbana, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), confirma a importância da diversidade social nas escolas para o rendimento dos alunos. Quanto mais mistura de classes sociais num mesmo estabelecimento de ensino, melhor é o aproveitamento dos estudantes.Para o coordenador da pesquisa e professor da UFRJ, Luiz César de Queiroz Ribeiro, ?de certa forma, quando há uma convivência maior entre classes, os mais pobres conseguem romper um ciclo que não é quebrado numa região essencialmente carente e periférica. Há algum tipo de troca?.Esta troca é fundamental para o aprendizado humano, e é talvez o dado mais enriquecedor, em termos de interação pessoal, porque é a partir disso que o aluno cresce enquanto pessoa e cidadão.O estudo sobre as metrópoles da Universidade do Rio de Janeiro está sendo feito por 70 pesquisadores de 22 instituições. Pelo que já foi levantado, as experiências da diversidade social nas metrópoles indicam um fator positivo de integração.Uma reportagem relata o exemplo da Escola Padre Manoel da Nóbrega, na Casa Verde, bairro da Zona Norte de São Paulo: ?A aluna Suelen Oliveira Roxo, 16, do terceiro ano do ensino médio, é um desses casos. Moradora do conjunto habitacional popular Cingapura, ela conta que uma das suas melhores colegas de classe vive numa das ruas mais nobres do bairro. ?Minha amiga Melissa entrou na escola neste ano, vinda de uma das melhores escolas particulares da região, e a gente fez amizade muito rápido. Fazemos os trabalhos juntas e ela freqüenta minha casa?, disse.??Dois mundos se encontram na mesma escola?. Por isso, a pesquisa da UFRJ é importante, pois indica a relevância do inter-relacionamento de classes sociais para a promoção do conhecimento como também dos valores de vida, da complementaridade, ensinando, desde cedo, que não é a posição social que torna melhor uma pessoa, mas sua abertura ao intercâmbio, sua aceitação da novidade, sua visão ampla das coisas e ainda a efetiva prática solidária.Quando uma escola acolhe alunos de diversos segmentos sociais, comprova sua vocação democrática, assegurando assim melhores condições do aprendizado da vida.Nesse sentido, o Brasil vem ganhando muito por ser uma nação historicamente consolidada na miscigenação e no encontro de raças e convergências das culturas. Isso deu ao povo brasileiro uma maior tolerância, uma capacidade maior de diálogo e uma alegria de viver mais intensa. Justamente porque aqui, desde a chegada dos portugueses, buscou-se uma diversidade social e cultural, que não aconteceu facilmente em outras nações.A obra de Gilberto Freyre mostra claramente as conseqüências positivas desta característica brasileira, do quanto isso tem nos ajudado, inclusive a superar graves crises, pela nossa capacidade de aceitar as diferenças e de conviver com culturas bem diversificadas. Isso tem nos feito um povo bastante criativo e promissor.A pesquisa da UFRJ mostra que as escolas abertas à diversidade social só têm a ganhar, por isso está como um valor da nossa alma; enfim, nossa própria identidade.* Doutor em Sociologia e diretor-geral da Faculdade Editora Nacional (Faenac)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.