Frente Feminista/Divulgação
Frente Feminista/Divulgação

Nudez em trote na USP São Carlos vira caso de polícia

Ministério Público pede investigação e alunos que tiraram a roupa serão procurados para depor

Rene Moreira, Especial para O Estado de S. Paulo,

06 Março 2013 | 17h39

Virou caso de polícia a confusão envolvendo um grupo feminista e outros alunos da USP de São Carlos que realizavam um evento denominado "Miss Bixete" no interior do campus. As feministas que protestavam foram hostilizadas por estudantes que chegaram a tirar a roupa e mostrar os órgãos sexuais.

Atendendo à solicitação do Ministério Público, uma investigação foi aberta no 3º Distrito Policial da cidade, que apura o crime de atos obscenos. A universidade também investiga a confusão e já fala até em expulsão dos envolvidos, caso recebam pena máxima ao fim do procedimento interno que foi aberto.

Com relação ao trabalho da polícia, o delegado Aldo Donisete Del Santo falou ao Estado, na tarde desta quarta-feira, 6, que investigadores estão nas ruas e os dois estudantes que foram fotografados pelados no campus devem ser identificados até esta quinta-feira, 7. Assim que isso ocorrer, eles serão chamados para depor e responderão por atos obscenos, que prevê pena máxima de um ano de prisão.

De acordo com o delegado, se surgirem outras denúncias durante as investigações, os suspeitos podem responder também por mais crimes. Isso porque algumas alunas chegaram a dizer em entrevista que teriam sido apalpadas pelos estudantes e sofrido ainda outros constrangimentos. O trabalho policial atrasou um pouco porque primeiro foi preciso conseguir as fotos originais em que os rostos dos envolvidos não foram desfocados.

No Miss Bixete as calouras são chamadas a desfilar em um palco para os veteranos, que ainda podem para que façam poses e outras coisas. A brincadeira existe há anos, mas sempre foi questionada pela Frente Feminista formada principalmente por alunas do próprio campus. Neste ano os estudantes reagiram aos protestos das garotas mostrando os órgãos genitais e até simulando sexo com uma boneca inflável. Ainda teriam jogado bombinhas nas garotas e desferido ofensas de cunho homofóbico.

Mais conteúdo sobre:
nudez trote

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.