Novo sistema permite acesso rápido a dados de escolas públicas

Das 180 mil escolas públicas de educação básica no País, 22 mil não têm banheiro. "Fiquei pasmo com esta informação", revelou o ministro da Educação, Cristovam Buarque, ao anunciar na segunda-feira a criação de um novo sistema, chamado de "Dataescolabrasil", que permitirá a qualquer cidadão acessar dados sobre as escolas públicas.O novo sistema levou o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) a descobrir uma fraude sobre número de alunos: 99% da população de uma cidade constam como estudantes, incluindo os que já não estão mais em fase escolar. Segundo a assessoria do Inep, o nome da cidade não pode ainda ser divulgado porque o caso está sob investigação.O Inep já dispunha de informações globais tabuladas a partir dos censos escolares. Mas, agora, na página do instituto (www.inep.gov.br) ou na do novo serviço (www.dataescolabrasil.inep.gov.br) será possível cruzar dados sobre repetência e o gênero e obter até a nota do aluno.O ministro avisa que só não dará publicidade aos nomes dos alunos que recorrerem à Justiça contra a divulgação da nota.Cadastro para cada aluno"O nosso sonho é ter um cadastro de cada aluno", informou o presidente do Inep, Raimundo Luiz Silva Araujo, que chegou a propor, durante coletiva, que cada aluno tenha um número de identificação a exemplo do Cadastro de Pessoa Física (CPF).O ministro gostou da idéia e ainda anunciou que pretende disponibilizar no sistema os repasses que cada escola recebe do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, para que os pais possam cobrar a aplicação dos recursos."Fingimento nunca mais", disse, ressaltando que com o novo sistema será possível conhecer a realidade das escolas e dos alunos. Araújo explica que o governo também teria condições de exibir na internet informações sobre as escolas particulares, mas faltam estudos jurídicos comprovando ser possível tal divulgação.

Agencia Estado,

07 de outubro de 2003 | 11h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.