Novo reitor da UFRJ é contra sistema de cotas e vestibular

O novo reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Aloísio Teixeira, defende o fim do vestibular, rejeita a criação de um sistema de cotas para negros e diz que pretende promover uma "mudança radical" no processo de ingresso na instituição com a reserva de vagas para estudantes de baixa renda."Nosso interesse não é estabelecer um sistema de cotas, mas modificar a forma de ingresso na universidade. O que a gente pretende de fato é acabar com o vestibular. Nós consideramos que o vestibular implica um processo que constitui uma barreira intransponível para estudantes provenientes de famílias de renda menor", disse ele na sexta-feira, em sua primeira entrevista coletiva após ser nomeado para o cargo.Reserva de vagasSegundo Teixeira, um novo sistema será testado em 2004 com uma reserva de vagas para estudantes da rede pública de ensino. "É um teste através do qual vamos caminhar em direção ao fim do vestibular."Ele citou pesquisa feita durante o último vestibular da UFRJ, segundo a qual cerca de 70% dos inscritos são provenientes de escolas públicas - em relação aos aprovados no exame, o índice cai para cerca de 30%, na média de todos os cursos.Sistema de avaliaçãoA proposta é que haja um sistema de avaliação que acompanhe o estudante ao longo de toda sua vida escolar, levando em conta as condições da escola e as condições do meio em que ele vive para, a partir daí, se ter um critério de acesso considerado por ele mais justo. O reitor admite que a proposta não é de simples execução.Atualmente, há cerca de 40 mil alunos inscritos em cursos de graduação da UFRJ. Quanto aos problemas financeiros da universidade, o reitor disse que o Ministério da Educação confirmou a liberação de R$ 3 milhões para investimento, segunda parcela de recursos previstos no plano de emergência elaborado no fim do ano passado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.