Novas regras do Fies devem ampliar número de beneficiados

Ministério da Educação pretende chegar a 200 mil contratos de financiamento para cursos superiores por ano

Agência Brasil,

27 Janeiro 2010 | 11h36

Com as novas regras do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), publicadas na última semana, o Ministério da Educação (MEC) pretende chegar a 200 mil contratos por ano. Segundo a secretária de Ensino Superior, Maria Paula Bucci, em 2009 foram fechados cerca de 35 mil contratos, seis vezes menos do que a nova meta do ministério.   Veja também: Fies passará a aceitar pedido de bolsa em qualquer mês  Melhores do Enem terão bolsa de universidade espanhola     "Muitos estudantes ainda têm temor de fazer o financiamento e nós precisamos vencer isso mostrando que a taxa de juros foi reduzida e o prazo de carência e de quitação da dívida foram ampliados", disse.   O programa permite aos universitários financiar os estudos em um curso superior de instituições particulares. Entre as mudanças está a redução dos juros de 6,5% para 3,5% ao ano, inclusive para o saldo devedor de contratos antigos. O prazo para quitação da dívida, que antes era de duas vezes o período do curso, agora passa a ser de três. Ou seja: um estudante que financiou um curso com duração de quatro anos, poderá quitar seu saldo devedor com o banco em até 12 anos.   O processo de seleção para o Fies, que antes era feito no início de cada semestre, agora poderá ser feito a qualquer momento. O estudante deve procurar uma agência da Caixa Econômica ou do Banco Brasil para efetuar o financiamento a partir de março.   Maria Paula afirmou que a taxa de inadimplência do Fies está hoje em cerca de 12%, o que seria "normal" para essa modalidade de financiamento.   As instituições interessadas em participar do Fies já podem se cadastrar pela internet. O MEC leva em consideração alguns critérios de qualidade do curso a partir da nota obtida em avaliações com o Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade).

Mais conteúdo sobre:
Fies financiamento superior MEC

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.