Nova diretora do Coppe critica ministério e promete bolsas

A engenheira química Angela Uller assumiu nesta segunda-feira a diretoria da Coordenação de Programas de Pós-graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) criticando a política de ciência e tecnologia do governo federal."Acho que está tudo muito lento. A gente não pode perder esse grande espaço que conquistou. Enquanto o ministro da Fazenda não falar que ciência e tecnologia é importante, vai ser difícil o setor industrial, a sociedade considerar importante. Estamos preocupados e vamos lutar para que a gente consiga restabelecer fluxo de recursos e verbas orçamentárias", disse ela."A Coppe é o lugar da crítica, do debate. Essa é a melhor contribuição que ela poderá fazer ao governo Lula", declarou o presidente da Eletrobrás e ex-diretor da Coppe, Luiz Pinguelli Rosa. O ministro da Ciência e Tecnologia, Roberto Amaral, foi convidado para a posse de Uller e estava no Rio, mas não compareceu à cerimônia, realizada no câmpus da Ilha do Fundão.Bolsas para jovens cientistasA Coppe, criada há 40 anos, é um dos maiores centros de pesquisa do País. Angela defendeu a distribuição de verbas dos fundos setoriais e disse que o desenvolvimento de novas tecnologias está comprometido."Foi uma conquista ter recursos estáveis para o setor, com os fundos, mas passamos a década de 90 inteira numa situação de penúria total e, agora, temos as verbas contingenciadas."A engenheira disse que pretende criar bolsas para jovens cientistas e um centro de pesquisa de energia alternativa na universidade."Mais Coppes"Angela formou-se em engenharia química pela UFRJ, em 1975. Concluiu mestrado na Coppe e doutorado na Universidade de Paris.Atualmente, a Coppe tem cerca de 3 mil alunos e 300 professores. "Precisamos de mais Coppes no Brasil", disse, durante a cerimônia, o presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Ennio Candotti.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.