Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Notas de corte para a segunda fase da Fuvest aumentam; veja lista

Em Medicina, foi preciso acertar 83 questões, de 90, para avançar à próxima etapa

Ilana Cardial, Especial para o Estadão

26 de janeiro de 2021 | 17h57

Mesmo após um ano de estudos remotos, as notas de corte para a segunda fase da Fuvest, vestibular da Universidade de São Paulo (USP), aumentaram. O nível de dificuldade da prova - mais "acessível", segundo a fundação - pode ter contribuído para a elevação das notas mínimas.  

As notas para cada um dos cursos foram divulgados nesta terça-feira, 26. Candidatos com pontos iguais ou superiores à nota mínima de sua carreira são convocados para a 2ª fase do exame, que ocorre nos dias 21 e 22 de fevereiro.

Em uma prova com 90 questões de múltipla escolha, as carreiras com notas de corte mais altas neste ano foram Medicina em São Paulo, com 83 pontos (5 a mais que em 2020), Medicina em Ribeirão Preto, com 81 pontos (6 a mais), e Medicina em Bauru, com 78 pontos (3 a mais).

Confira neste link as notas mínimas para cada carreira na Fuvest 2021.

Segundo a Fuvest, no vestibular deste ano a prova teve “aspecto mais acessível, o que resultou na elevação das notas mínimas”. Para o coordenador pedagógico do Grupo Etapa, João Pitoscio Filho, o "divisor de águas" foi o nível de dificuldade em Matemática. “Em metade da prova, não existia cálculos ou eram muito simples, o que não é um padrão Fuvest. Se você pegar a 1ª ou a 2ª fase, em geral, são questões mais exigentes. Neste ano, foram mais leves.”

Para Pitoscio, outro fator que pode ter contribuído para a elevação das notas é o maior porcentual reservado para os estudantes de escola pública. Neste ano, assim como outras universidades, a Fuvest dividiu igualmente as vagas entre ampla concorrência e ações afirmativas, com 50% para cada. No vestibular 2020, eram 55% para ampla concorrência e 45% para estudantes de escola pública.

“Outra coisa que chamou a atenção é a diferença muito grande entre notas de EP (candidatos de ações afirmativas para escolas públicas) e de AC (candidatos da ampla concorrência). Isso também já era esperado”, diz.

Foco na segunda fase

O desempenho dos alunos na 1ª fase é contabilizado na nota final, mas com uma porcentagem inferior à nota da 2ª fase. Em fevereiro, os vestibulandos convocados terão dois dias de provas dissertativas: Português e Redação no primeiro, e questões de disciplinas específicas de acordo com a carreira escolhida no segundo. Para os professores, o momento agora é de manter o foco.

“Talvez por conta pandemia, cobrem assuntos mais básicos (na 2ª fase), mas básico não significa fácil”, diz Pitoscio. “Em determinadas matérias, o básico já é um conteúdo pesado, mas acredito que seja amena. Porém agora o candidato tem outro desafio, que é escrever."

O professor também ressalta a importância do estudante manter um plano de estudos equilibrado até 21 de fevereiro. “Há quase um mês até a segunda fase, e é preciso montar um cronograma equilibrado. O candidato tem de estudar, descansar, fazer atividade física, ter uma boa alimentação e descansar. Quanto mais equilibrado ele estiver, melhor ele vai chegar."

Para Daniel Perry, diretor do Curso Anglo, é preciso ter atenção com as provas de Português e Redação. "O primeiro dia é o que derruba muitos candidatos. As provas do segundo dia são das matérias específicas de cada carreira, então em geral os candidatos gostam mais e têm mais facilidades". A dica dos professores é buscar o equilíbrio também no momento de reservar horas de estudo para cada disciplina.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.