No Senado, ONG defende cotas no Ciência sem Fronteiras

Programa vai conceder 100 mil bolsas de estudo em universidades estrangeiras

Estadão.edu, com Agência Brasil,

26 Março 2012 | 17h40

BRASÍLIA - A ONG Educação e Cidadania de Afrodescendentes e Carentes (Educafro) defendeu nesta segunda-feira, 26, a adoção de cotas em favor de afrodescendentes e de populações carentes no programa Ciência sem Fronteiras - que concede bolsas de estudo em universidades do exterior.

 

O assunto foi tema de audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado Federal. Desde janeiro deste ano, 1,5 mil estudantes foram contemplados com bolsas em universidades dos Estados Unidos e do Canadá pelo Ciência sem Fronteiras. Até o fim do ano, a expectativa é que esse número chegue a 20 mil. A meta do programa é conceder 100 mil bolsas até 2015.

 

O Educafro considera que a maior parte da população brasileira (mais de 51% que se declara afrodescendente) fica em situação de desigualdade em iniciativas como essas no País. O programa é desenvolvido pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação com a participação do Ministério da Educação.

 

A entidade cobra medidas especiais do governo para eliminar "desigualdades historicamente acumuladas, garantindo a compensação de perdas provocadas pela discriminação e marginalização decorrentes de razões raciais, étnicas, religiosas e de gênero". A ONG pretende colher 100 mil assinaturas para fortalecer a luta pela inclusão de negros no programa.

 

Para o diretor de Engenharia do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Guilherme Sales, há intenção dos setores envolvidos com o programa de bolsas "de trabalhar juntos" com as representações dessa população a fim de minimizar as diferenças que dificultam sua participação no programa. Ele disse que já estão alocados os recursos para custeio de 75% das bolsas, sendo que os 25% restantes virão da iniciativa privada.

 

Para o diretor do Educafro, frei David Santos "o governo e o Congresso estão desenhando um Brasil novo para reduzir as disparidades sociais, mas existe ainda uma reação dura de parte dos membros do Executivo que dificulta a ascensão dos negros, contra a própria prioridade que a presidenta da República já declarou para o programa". 

 

Ele diz que o Brasil tem menos negros nos câmpus universitários do que a África do Sul, na época do apartheid. Da forma como está, segundo ele, "os países que vão receber os estudantes brasileiros vão ter uma imagem irreal do Brasil". "Não queremos políticas novas com hábitos velhos, pois há o predomínio dos eurodescendentes, num processo de meritocracia injusta que alija os mais pobres", declarou.

 

Segundo o reitor da Universidade Zumbi dos Palmares, José Vicente, pelo menos 2 mil jovens negros entre os que estudam na instituição têm interesse em participar do Ciência sem Fronteiras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.