DIVULGAÇÃO
DIVULGAÇÃO

No Dia de Finados, grupo coloca faixas de luto em escola fechada

Colégio da zona norte não receberá mais alunos em 2016; medida foi anunciada na última semana pelo governo estadual

Victor Vieira, O Estado de S. Paulo

02 de novembro de 2015 | 16h40

SÃO PAULO - Cerca de 40 moradores do Piqueri, na zona norte, fizeram um ato nesta segunda-feira, 2, contra o fechamento da Escola Estadual Silvio Xavier. No Dia de Finados, eles colocaram faixas pretas de luto em volta do prédio da escola, que não receberá alunos da rede a partir de 2016, como anunciou a gestão Geraldo Alckmin (PSDB) nesta semana. 

O grupo era formado por professores, estudantes, pais de alunos e vizinhos da escola. Os organizadores da manifestação também aproveitaram o momento para explicar a situação para a comunidade. O destino do prédio ainda é incerto. Poderá ser repassado, segundo a Secretaria da Educação do Estado (SEE), à Prefeitura, para abrigar uma creche, ou ao Centro Paula Souza, para receber uma escolas técnica (Etec) ou faculdades de Tecnologia (Fatec). 

"Além de divulgar o problema, queremos mostrar nossa indignação com o fechamento da escola", disse Greice Lemos, de 38 anos, uma das participantes do ato, realizado entre o fim da manhã e o começo da tarde desta segunda. Ela é mãe de um aluno do 7.º do ensino fundamental, que irá para outro colégio em 2016. A Silvio Xavier tem aulas do fundamental 2 (6.º ao 9.º anos) e ensino médio. 

A SEE tem afirmado que os alunos não serão transferidos para escolas a mais de 1,5 quilômetro de distância, mas os pais ainda não foram informados oficialmente sobre quais unidades vão receber os filhos. O fechamento da escola, segundo Greice, também preocupa os vizinhos por causa da segurança. "Sem a ronda escolar, pode haver aumento de violência", afirmou.  

Na semana passada, o governo estadual anunciou o fechamento de 94 escolas. A medida faz parte de um projeto de reorganização da rede estadual, com o objetivo de que cada colégio tenha somente um dos três ciclos (fundamental 1, fundamental 2 ou ensino médio). Com isso, 43% das 5,1 mil escolas da rede terão só um ciclo em 2016. A secretaria defende que separar os colégios por faixa etária vai ajudar na melhoria de aprendizagem. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.