Nem todos querem refazer a prova do Enem

Estudante acredita que não haverá data viável, livre de vestibulares, para um novo exame

Isis Brum, Jornal da Tarde

25 Novembro 2010 | 11h56

Com o gabarito do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em mãos e uma maratona  de vestibulares a ser cumprida até o ano que vem, alguns estudantes já não se sentem animados a refazer a avaliação – mesmo com a confirmação de vazamento de  parte do conteúdo da prova de redação.

 

“Se o Enem fosse cancelado, não haveria data. Ainda tem muitos vestibulares pela frente”, diz Guilherme Aruth, de 19 anos. Pela segunda vez, o estudante  presta Medicina nas principais universidades federais do País. “Mas acho correto fazer uma nova prova para quem foi prejudicado”.

 

Já a dona de casa Eliza de Souza Tenuta, de 56 anos, “gostaria de ter uma nova oportunidade”. Para ela, “o novo Enem deveria ser estendido a todos os  candidatos para dar chance igual aos participantes”. Eliza pretende realizar um grande sonho: cursar licenciatura ou bacharelado em História no próximo ano.

Caroline de Souza Oliveira, de 17 anos, aluna do cursinho Instituto Henfil, em Mauá, na Grande São Paulo, prefere não refazer a prova. Ela pegou as folhas  que continham o cabeçalho do gabarito invertido e disse que os monitores foram solícitos e eficientes. “Ninguém foi prejudicado”, afirma.

 

“Não havia necessidade de todo esse alvoroço para anular o Enem”, diz a jovem. Caroline concorda com as medidas adotadas pelo Ministério da Educação, que  mantém válida a edição 2010 do exame. Também acredita que o vazamento foi pontual e não prejudicou as mais de 4 milhões de pessoas inscritas na prova.

 

“O aluno (que soube do conteúdo) não teve tempo para pensar na redação, pesquisar e ter um desempenho melhor. Acho que não é preciso cancelar tudo por causa  disso”, fala Caroline.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.