PAULO LIEBERT/ESTADÃO
PAULO LIEBERT/ESTADÃO

Nem 10% dos alunos de escolas privadas têm nota avançada em Português

Pela primeira vez, a rede privada pôde se voluntariar para participar do exame, que é a mais importante avaliação brasileira. Até então, o governo as selecionava por amostragem

Renata Cafardo e Victor Vieira, O Estado de S.Paulo

30 Agosto 2018 | 11h00

SÃO PAULO - Nem 10% dos alunos de 14 a 17 anos de escolas particulares do País estão no nível considerado avançado de Português. Só esse pequeno grupo, por exemplo, consegue entender perfeitamente  expressões de humor em contos, crônicas e artigos. Os dados são do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) 2017, divulgados nesta quinta-feira pelo Ministério da Educação (MEC).

Pela primeira vez, a rede privada pôde se voluntariar para participar do exame, que é a mais importante avaliação brasileira. Até então, o governo as selecionava por amostragem. O MEC, no entanto, não informou quantas nem quais escolas particulares fizeram o Saeb em 2017. A prova mede a aprendizagem dos alunos do 5º ano e 9º ano do ensino fundamental e do 3º do médio, desde 1995, nas escolas públicas.

Em Matemática, as notas são um pouco melhores e a proporção de adolescentes com uma boa aprendizagem gira em torno de 20%. Eles são capazes de resolver problemas utilizando probabilidade.

Mesmo assim, a rede particular ainda tem melhores resultados. A média conjunta dos estudantes de escolas municipais, estaduais e federais, no ensino médio, em Matemática é 259,7. Nas privadas, é 329,48, uma diferença de 69,78 pontos. Em Português, a disparidade é de 55,3 pontos.

Isso faz com que os dois grupos estejam em níveis diferentes de aprendizagem. A média de alunos de escolas públicas é insuficiente e a nota dos de colégios particulares já é considerada básica. Os alunos de escolas privadas de São Paulo têm desempenho parecido com o resto do Brasil. Só 7,7% deles estão no nível avançado de Português e 23,61%, em Matemática.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.