Stefânia Sangi/UFJF/Divulgação
Stefânia Sangi/UFJF/Divulgação

'Não vamos especificar como ensinar', diz secretário do MEC

Representante afirma que redes devem ser as principais instâncias de discussão sobre estratégias, sequências didáticas e propostas

Entrevista com

Manuel Palácios

Victor Vieira, O Estado de S.Paulo

25 Maio 2015 | 08h05

Nosso currículo vai definir como ensinar ou só os objetivos de aprendizagem?

A proposta não vai especificar estratégias de ensino. Nosso entendimento é que, além de trabalhar com a parte diversificada do currículo, as redes devem ser as principais instâncias de discussão sobre estratégias, sequências didáticas, propostas de trabalho. A ideia é de uma base econômica.

Se o documento for muito geral, não haverá dificuldades para que os professores apliquem?

Temos de avançar para um grau de detalhamento maior do que tínhamos nas propostas anteriores. Os Parâmetros Curriculares Nacionais, por exemplo, já especificavam objetivos. Mas tinham uma natureza muito genérica. Há a intenção de produzir algo que seja capaz de uma comunicação mais efetiva com a prática docente. 

Depois de pronto, como será a implementação do currículo?

Com o arranjo federativo da nossa educação básica, fica difícil prever uma orquestração uniformizadora. Alguns Estados serão capazes de trabalhar de forma mais intensiva. Em outros, deve ser mais lento, considerando deficiências. O MEC dará apoio a todas as propostas.

Mais conteúdo sobre:
MECBase Nacional Comum

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.