'Não quero ver ninguém preso, mas alunos têm de pagar pelo que fizeram', diz reitor da Unifesp

Walter Albertoni diz que não foi autor da queixa à polícia contra estudantes e por isso não tem como retirá-la

Cristiane Nascimento, Especial para o Estadão.edu

15 Junho 2012 | 19h01

 "Não quero ver ninguém preso, mas os estudantes têm de responder pelos atos que cometeram", disse no fim da tarde desta sexta-feira o reitor da Unifesp, Walter Albertoni, sobre alunos detidos na Polícia Federal depois de uma tentativa de ocupar o câmpus da universidade em Guarulhos. "Não posso fazer nada. Não tenho como retirar a queixa porque não fui eu quem a fez."

 

Para Albertoni, os detidos infringiram os termos de um mandado de segurança assinado por eles no dia 6, quando ocorreu a reintegração de posse do câmpus, invadido por estudantes. "Eles assinaram se comprometendo a não fazer nova ocupação."

 

O reitor disse que os manifestantes gritavam "ocupação" como palavra de ordem, mas qualificou o que aconteceu no câmpus de "depredação".  "Eles tiveram uma atitude intempestiva e os professores, acuados, chamaram a polícia." Albertoni não fez críticas à atuação da Polícia Militar. "A PM agiu seguindo um critério."

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.