'Não pode ser só instrumento de marketing'

Especialista diz que a escola já deve ter um histórico de trabalhos mais complexos e interdisciplinares antes de pedir esses TCCs

Victor Vieira, O Estado de S. Paulo

03 de novembro de 2014 | 02h01

SÃO PAULO - Para Branca Jurema Ponce, professora da pós-graduação da Faculdade de Educação da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), é necessário que a escola já tenha um histórico de trabalhos mais complexos e interdisciplinares antes de pedir esses trabalhos de conclusão de curso. "(A monografia) Não pode ser apenas um instrumento de marketing do colégio." Esses projetos, diz ela, contribuem na escolha profissional dos alunos.

Outra preocupação é que essas disciplinas não se tornem uma competição ente os colegas. "O projeto deve fazer com que o aluno tome gosto pelo conhecimento", afirma Branca. "Não pode ser com base apenas na meritocracia individual", afirma.

Já a professora da USP Elba Sá Barreto afirma que as monografias têm o potencial de estimular uma participação mais ativa dos estudantes no processo de aprendizagem. "Eles podem desenvolver várias habilidades, como consultar diferentes fontes e analisá-las", afirma.

Tudo o que sabemos sobre:
Educaçãomonografiaensino médio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

  • Fuvest 2020: Veja os locais de prova da primeira fase do vestibular
  • Redações da Fuvest: Estadão Acervo levantou o temas de cada redação do exame desde 1977
  • Medicina na USP tem disputa de 129 candidatos por vaga; veja relação
  • Conheça práticas ilegais comuns na matrícula e nas mensalidades de escolas e faculdades
  • Primeira fase da Fuvest: ouça as dicas dos especialistas no podcast ‘Se Liga no Vestibular

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.