TV Estadão | 04.06.2015
TV Estadão | 04.06.2015

‘Não existe escola 100% boa', diz especialista em educação

Entrevista com

Alexandre Oliveira

Paulo Saldaña, O Estado de S. Paulo

06 Agosto 2015 | 03h00

A cada ano, o Inep acrescenta uma informação contextual na lista das médias das escolas no Enem. Em 2014, as novidades foram o nível socioeconômico e a média dos 30 melhores alunos de cada escola. Agora, revelou o indicador de permanência de estudantes durante o ensino médio. Para o especialista em educação Alexandre Oliveira, da Meritt Informação Educacional, os dados são ferramentas valiosas para os pais. 

O que se deve levar em conta na hora de analisar uma escola?

O MEC sinalizou que o tamanho da escola, os níveis socioeconômicos e as taxas de permanência são muito relevantes na comparação das escolas. É claro que escolas pequenas não são disponíveis para todos, então unidades com mais de 90 alunos são mais realistas. Uma orientação para os pais é comparar escolas com os mesmos níveis socioeconômicos - e no mesmo Estado. Depois, é ver se ela está acima da média daquele grupo de escolas. Não basta apenas ver o ranking, é interessante olhar as médias por área e ver se em todas o colégio vai bem.

Como ir além do ranking?

Uma coisa importante é ir à escola no dia a dia e ver o funcionamento. Para identificar elementos que não estão no discurso do colégio, mas na prática: salas bem equipadas, com iluminação adequada, silenciosas, arejadas e com aulas sendo dadas. Não existe uma escola 100% boa, mas a melhor para o seu filho.

Mais conteúdo sobre:
Enem

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.