JF DIORIO /ESTAD?O
JF DIORIO /ESTAD?O

Na rede particular, temem curso 'frouxo' com novo ensino médio

Algumas escolas privadas da capital já adotam mudanças, como aulas com professores de ‘notório saber’

Luiz Fernando Toledo, O Estado de S. Paulo

24 de setembro de 2016 | 03h00

As reformas previstas para o ensino médio foram vistas com ressalvas por alunos de escolas particulares ouvidos pelo Estado. Eles acreditam que a flexibilização do currículo é positiva, mas pode “afrouxar” a formação atual, já que vai diminuir o tempo de formação geral. 

No Colégio Bandeirantes, na Vila Mariana, zona sul de São Paulo, as adaptações já começaram a ser sentidas pelos alunos do 1.º ano do ensino médio. O trecho da Medida Provisória que trata dos profissionais com “notório saber”, por exemplo, já é seguido pelo colégio. 

Em trabalhos envolvendo Português, os alunos trabalham com oficinas de comunicação em que são orientados por um jornalista e uma roteirista de cinema, ao lado de um professor. “É uma maneira de atrair esses profissionais de fora da escola para dentro do processo educacional”, diz o diretor-presidente Mauro de Salles Aguiar. 

O Bandeirantes também já mescla diferentes disciplinas em um projeto chamado Steam (a tradução da sigla significa Ciência, Tecnologia, Engenharia, Arte e Matemática). Nessas aulas, alunos precisam desenvolver projetos usando conhecimentos de cada área. 

O estudante João Maran, de 16 anos, que está no 1.º ano do ensino médio, elogia o modelo integrado. “Vemos que há elementos de várias matérias que se juntam, como Biologia, Química e Geografia”, diz. 

Sobre a flexibilização do currículo, ele acha que não vai funcionar. “Eu quero estudar em uma universidade no exterior e lá eles querem uma formação completa. Não é simplesmente ter uma nota boa em uma área ou outra. Para mim, é importante ter todas as matérias.” 

A estudante Erika Medeiros, de 15 anos, também aluna do 1.º ano do ensino médio, gostou da “fusão” de disciplinas, que diz estimular a criatividade. “O aluno se sente mais valorizado porque dá ideias, ouve os colegas e monta um projeto que ele ajudou a criar”, diz. 

Futuro. Beatriz de Souza Bim, de 15 anos, aluna do 1.º ano na escola Lourenço Castanho, na zona sul, diz não concordar com o afunilamento das matérias que pode acontecer a partir da MP. “Está desvalorizando outras áreas de conhecimento. Também acho que muitos alunos não vão escolher o que querem para o futuro, mas seguir as ‘panelinhas’. Estamos em uma fase da vida em que as amizades valem mais do que tudo.” 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.