Na redação, lembre do que gosta

Na hora de escrever a redação, não se esqueça de colocar no papel os assuntos que você gosta e conhece, relacionando-os com a proposta pedida na prova. ?O que vai fazer a diferença é o repertório intelectual, cultural e lingüístico de cada um?, afirma a professora do Laboratório de Redação do Curso e Colégio Objetivo, Maria Aparecida Custódio. Ela lembra do caso de um aluno que usou num exercício cujo tema era misticismo informações sobre uma tribo africana que aprendeu na aula de Geografia. ?Esse repertório faz um texto de qualidade superior, que se destaca dos demais.?Mas não apenas o que se aprende na sala de aula serve como matéria-prima. Toda leitura é válida, não importa que você seja fã de quadrinhos ou devore romances policiais. ?A gente recomenda que eles somem aquilo que já liam e não que o substitua.?Outro cuidado é ficar atento ao que pede o enunciado e não fugir ao tema. Maria Aparecida também recomenda que o vestibulando faça o rascunho da redação antes do restante da prova. ?Tem de deixar o texto descansar.? Depois desse distanciamento crítico, leia novamente o texto e, antes de passá-lo a limpo, volte ao enunciado para conferir se durante a escrita você se manteve fiel àquilo que foi pedido. E escreva com letra legível, pois o corretor não tem tempo de decifrar hieróglifos.

Agencia Estado,

18 de maio de 2006 | 22h09

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.