Na Câmara, Haddad diz que transmissão digital do Enem não é segura

Deputado Otávio Leite (PSDB-RJ) sugeriu que provas fossem enviadas via satélite para cada local

Rafael Moura, da Agência Estado

17 Novembro 2010 | 14h53

BRASÍLIA - O ministro da Educação, Fernando Haddad, afirmou nesta quarta-feira, 17, em depoimento à Câmara dos Deputados, que a transmissão digital do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), sugerida por um parlamentar, não seria segura. A proposta busca diminuir os custos e os problemas na aplicação da prova.

"A questão é muito complexa", disse Haddad em resposta ao deputado Otávio Leite (PSDB-RJ), que sugeriu, em audiência na Comissão de Educação e Cultura da Câmara, que as avaliações fossem enviadas via satélite para cada local de aplicação, onde os testes seriam impressos.

"Não é seguro o procedimento, qualquer transmissão de dados é capturável. A ideia deve ser estudada, verificada, mas hoje essa transmissão é muito arriscada, mesmo criptografada", afirmou o ministro. "Há hoje esses pequenos gênios, hackers, que chegam a conseguir derrubar um site de banco", acrescentou.

Na última edição do Enem, há duas semanas, foram encontradas falhas na encadernação de parte das provas e o cabeçalho do cartão resposta de sábado estava trocado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.