Mudanças na educação via MP irritam senadores

O Senado está irritado em ser pautado exclusivamente pelo Executivo, através de medidas provisórias que travam a pauta se não forem votadas, e as críticas cresceram com a necessidade de votar, na quarta-feira, a MP que criou o Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade), substituto do Provão.O líder do PFL no Senado, José Agripino (RN), disse que uma matéria como a de mudanças no sistema de avaliação do ensino superior jamais poderia ser tratada por MP.O senador Álvaro Dias (PSDB-PR) disse que a MP limita a possiblidade do debate e exclui a participação de setores fundamentais. Ele teme que o governo mande outras MPs para tratar de educação e deixou um recado claro do seu partido: "Nós do PSDB não admitiremos uma MP para reformar a universidade brasileira."

Agencia Estado,

18 de março de 2004 | 10h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.