SERGIO CASTRO/ESTADÃO.
SERGIO CASTRO/ESTADÃO.

Mudança de escola aflige alunos com deficiência

Além de ter medo de ficar longe de amigos e professores, estudantes temem não encontrar estrutura adequada

Isabela Palhares, O Estado de S. Paulo

06 Novembro 2015 | 03h00

SÃO PAULO - Desde que soube que sua escola seria afetada pela reorganização da rede estadual de ensino, Karowara Antunes da Silva, de 15 anos, está muito preocupada com a possível transferência para outra unidade. Além de ter medo de ficar longe dos amigos e professores, que conhece desde os 11 anos, ela não sabe se a escola para onde será transferida tem a estrutura para atendê-la, já que é cadeirante.

“Todo mundo me conhece na escola, sou tratada muito bem e sem nenhum preconceito. A escola tem acessibilidade e é pertinho da minha casa, então tenho total autonomia”, disse Karowara, que estuda na Escola Dib Audi, na zona sul de São Paulo. 

A unidade, segundo funcionários e a diretoria de ensino regional, terá o encerramento do ensino médio de forma gradual. Ou seja, a partir do próximo ano não serão matriculados alunos no 1.º ano; no ano seguinte no 2.º ano e depois no 3.º anos, até fechar o ciclo. A mudança, no entanto, não consta da lista da Secretaria da Educação.

O irmão de Karowara, João Victor, de 13 anos, também é deficiente físico e estuda na mesma escola. “Não sei aonde meus filhos vão estudar nos próximos anos, qual vai ser a estrutura da escola, como eles serão transportados”, disse a mãe Aparecida de Fátima da Fonseca, de 46 anos.

A informação que os pais receberam é que, a partir do próximo ano, os alunos que forem iniciar o ensino médio serão transferidos para a Escola Presidente Kennedy. “Quando a Karowara entrou no fundamental 2, foi transferida para lá. Mas não tinha como ela estudar naquela escola, porque não tem acessibilidade nenhuma”, disse a mãe.

Greice Lemos contou que o filho Gustavo, de 13 anos, está apreensivo e com dificuldade para dormir desde que soube que a Escola Silvio Xavier Antunes, na zona norte da capital, aonde estuda está entre as 94 fechadas pela reorganização. “Ele tem mobilidade reduzida por causa de uma lesão na medula e precisa de muletas para andar. Hoje, ele tem autonomia e vai para a escola sozinho, mas com a transferência terá de pegar até dois ônibus.” 

Transporte. O secretário Herman Voorwald garantiu que todos os alunos com deficiência terão direito ao transporte escolar gratuito, independentemente da distância. “É um direito dela e vamos garantir isso.”

O projeto de reestruturação atingiu 94 escolas em todo o Estado e fechou etapas em 754 unidades para que passem a ter apenas ciclo único em 2016.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.