Muçulmanos querem feriados no calendário escolar de NY

Ano letivo já prevê folgas para o Natal cristão e para o Yom Kippur e o Rosh Hashanah dos judeus

Associated Press,

03 Julho 2009 | 16h36

Moneeb Hassan lembra-se de ter de optar entre fazer uma prova final de história ou celebrar o feriado islâmico de Eid al-Adha.

 

Hassan, de 17 anos, é um de milhares de estudantes islâmicos da cidade de Nova York que têm de equilibrar as obrigações religiosas e acadêmicas. Mas o Distrito Escolar de Nova York - o maior dos Estados Unidos - não reconhece nenhum feriado muçulmano.

 

"As pessoas vieram a este país pela liberdade de religião", disse Hassan. "Só estamos pedindo tratamento justo e igualitário".

 

Ativistas islâmicos vêm fazendo lobby para acrescentar seus feriados ao calendário escolar, que já prevê folgas para o Natal cristão e para o Yom Kippur e o Rosh Hashanah dos judeus.

 

Nesta semana, uma moção do Conselho Municipal foi emitida em apoio à observância de duas festas islâmicas, Eid al-Fitr e Eid al-Adha. 

 

Defensores da medida dizem que a o sistema educacional precisa ser inclusivo e contemplar o número cada vez maior de estudantes muçulmanos na cidade.

 

O prefeito Michael Bloomberg manifestou-se contra a concessão dos feriados, ponderando que honrar as datas sagradas de todas as religiões acabaria paralisando ano letivo. "Educar nossas crianças requer tempo na sala de aula, e esta é a coisa mais importante para nós", disse ele.

 

Eid al-Fitr, ou Festa do Fim do Jejum, marca o fim do mês sagrado de Ramadã. Eid al-Adha, ou Festa do Sacrifício, celebra a fé do profeta Ibraim (Abraão) que se dispôs a sacrificar o filho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.