Divulgação
Divulgação

MPF no Ceará vai pedir anulação do Enem

Procurador vê irregularidade na prova após suposto vazamento de questões

Carmen Pompeu, O Estado de S. Paulo

26 Outubro 2011 | 12h31

FORTALEZA - O Ministério Público Federal no Ceará vai recomendar ao MEC que anule o Enem 2011 em todo o País após a revelação de um suposto simulado do Colégio Christus, de Fortaleza, com questões idênticas às do exame, aplicado no fim de semana.

O procurador da República Oscar Costa Filho soube do caso por meio de estudantes cearenses, que procuraram o MPF para denunciar o suposto vazamento da prova.

"É necessário que se imponha, de uma vez, a constitucionalidade no Enem, o que significa o direito de candidatos que se sentirem prejudicados recorrer", diz Costa Filho. Para ele, houve vazamento de provas do exame.

O MEC já acionou a Polícia Federal para apurar o caso e, por isso, o procurador não vê a necessidade de recorrer à Justiça. Mas Costa Filho diz que há provas constituídas para determinar a irregularidade que, segundo ele, não é mais pontual e atinge todos os candidatos inscritos no País.

O Colégio Christus informou que vai soltar nota à imprensa nesta quarta-feira. Pelo Twitter, afirmou: "Não houve qualquer ato deliberado por parte da escola no sentido que estão dizendo". No Facebook, postou ontem à noite a seguinte mensagem: "[u]ma Instituição de Ensino que tenha profundo conhecimento da TRI - Teoria da Resposta ao Item - e possua vasto banco de questões fornecidas por professores, por ex-alunos e pela conversão de questões do estilo clássico para estilo ENEM poderá ter boa margem de acertos nas avaliações do ENEM e em outros vestibulares. O Colégio Christus, há vários anos, tem registrado altos índices de acertos em questões de vestibulares, o que é de conhecimento de todos".

Para Costa Filho, houve quebra de igualdade na disputa. Ele ressalta o fato de as questões serem idênticas. "São indícios de que houve, sim, vazamento." Segundo o procurador, o episódio comprova o que havia afirmado ao Estado em entrevista na sexta-feira, véspera da aplicação do exame. "O Enem é um estelionato intelectual", disse.

* Atualizada às 14h

Mais conteúdo sobre:
Enem Enem 2011

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.