MPF amplia investigação sobre faculdades particulares em GO

Repórter foi aprovado em quatro universidade de direito sem ter lido 80% das questões das provas

Paulo R. Zulino, do estadao.com.br,

18 de março de 2008 | 10h08

O Ministério Público Federal (MPF) em Goiás, decidiu ampliar as investigações sobre vestibulares realizados por instituições particulares, para peservar o padrão mínimo de qualidade do ensino. A matéria sobre um repórter do jornal O Popular, de Goiás, que foi aprovado em quatro vestibulares para direito sem sequer ter lido 80% das questões das provas, pesou consideravelmente na decisão do MPF.   Veja também: Menino de 8 anos é barrado na aula em universidade de GO    A Universidade Paulista (UNIP) já vinha sendo investigada em razão dos indícios de mercantilização da prestação de ensino e ausência de critérios no processo seletivo. A instituição aprovou, em seu vestibular de direito, uma criança de oito anos, estudante do ensino fundamental.   A procuradora da República Mariane Guimarães de Mello Oliveira pede que o Ministério de Educação realize, num prazo de 30 dias, a fiscalização dos processos seletivos em todas as instituições.   Segundo Mariane, o objetivo é verificar se estão adotados critérios pedagógicos suficientes para preservar um padrão mínimo de qualidade do ensino, conforme estabelece a Constituição e a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.