Moradores de assentamentos fazem vestibular

Duzentos moradores de 27 assentamentos do Amazonas e de Roraima realizam um sonho: eles entraram na universidade para, no futuro, se tornarem professores de alfabetização e ensino fundamental em seus próprios assentamentos. A iniciativa faz parte do Programa Nacional de Educação e Reforma Agrária (Pronera), em parceria com a Universidade Estadual do Amazonas(UEA) e o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). Um vestibular exclusivo para moradores de assentamentos dos dois estados selecionou 200 candidatos de um universo de 551 inscritos. Os alunos deverão se formar no prazo de quatro anos no curso Normal Superior, que será ministrado em módulos, sempre em época de férias da UEA. Serão quatro meses de aula por ano: em junho e julho e em dezembro e janeiro. Apesar dos níveis de formação e das faixas etárias dos alunos serem bastante distintos, o coordenador pedagógico do curso Normal Superior da UEA, Evandro Ghedim, disse que os alunos têm surpreendido os professores. "Muitos deles têm desempenho melhor do que os alunos regulares do espaço urbano".Segundo o Ministério do Desenvolvimento Agrário, iniciativas semelhantes vêm sendo realizadas desde 1999 em todo o País. Mais de 140 mil alunos já foram beneficiados pelo Pronera e outros 200 mil devem se formar até o final de 2006. Ainda de acordo com o ministério, os recursos para a execução do programa foram triplicados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.