Arquivo Pessoal
Arquivo Pessoal

Mobilidade acadêmica

Universitários aproveitam programa de intercâmbio entre as federais para conhecer novos câmpus, diversificar formação e até arranjar estágios

Marcelle Souza, Especial para o Estadão.edu

27 de setembro de 2011 | 00h16

Aos 21 anos, Mariana Falcão Zuccarello tem o perfil “cigano” de quem já morou em cinco cidades. A facilidade de adaptação e a vontade de conhecer outros lugares fizeram com que ela topasse mudar, mais uma vez, durante a graduação. Hoje aluna do 4.º ano de Direito, Mariana saiu em 2010 da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul para passar um ano na Federal do Espírito Santo.

Mariana é um dos estudantes que se beneficiaram de um acordo de mobilidade acadêmica firmado em 2003 entre a Associação Nacional dos Dirigentes de Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) e as federais de todo o País. 

As exigências do programa são continuar no mesmo curso, ter concluído o primeiro ano na universidade de origem e não ter mais que uma reprovação. As disciplinas cursadas durante o intercâmbio integram o histórico escolar do aluno. 

Mariana entrou na faculdade aos 17 anos. Vivia em São Mateus (ES) e já tinha morado com os pais em Campo Grande, sua cidade natal, e em Londrina (PR). Na época do vestibular, decidiu migrar para a Federal do Mato Grosso do Sul, para ficar mais perto dos avós. Quando começou o curso de Direito no câmpus de Três Lagoas, a universitária ficou com saudade dos pais, e decidiu, de novo, fazer as malas. Voltou ao Espírito Santo, para passar um ano no câmpus da Ufes, em Serra, Grande Vitória.

“Foi ótimo. Aumentei a minha rede de amigos e ainda tive a oportunidade de participar de projetos que não existem na UFMS, como um de assistência jurídica a comunidades indígenas e quilombolas”, afirma.

Aproveitar o melhor. Vitor Santana, de 20 anos, não tem o espírito nômade de Mariana. O aluno de Música da Universidade de Brasília usou o programa da mobilidade para aprimorar a técnica no violão, sua área preferida na graduação de Música.

“Vim para a Federal de Uberlândia ter aulas de violão com um professor que eu admirava”, conta o universitário, que chegou à cidade no começo do ano. “A grade dos dois cursos é bem diferente e eu consigo aproveitar o melhor das duas.”

Ter uma experiência de trabalho estimulou Lívia Cruz Franco, de 21, a trocar este ano o curso de Administração da Federal de Ouro Preto (Ufop) pela graduação na Federal de Minas, em Belo Horizonte. “Ainda não tinha conseguido fazer estágio. Estou desde o início do ano em Belo Horizonte e já estou no terceiro estágio”, diz a aluna do 5.º semestre. 

“Os estudantes que buscam a mobilidade acadêmica querem complementar a formação e enriquecer suas experiências culturais”, afirma o secretário executivo da Andifes, Gustavo Balduino. As universidades têm o direito de distribuir até seis bolsas de R$ 500, válidas por cinco meses, aos interessados no programa de mobilidade. Saiba como participar no site www.andifes.org.br.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.