Ministro quer abrir escolas em fins de semana

O ministro da Educação, Cristovam Buarque, pretende discutir com secretários estaduais e municipais a possibilidade de as escolas públicas abrirem nos fins de semana como espaços de lazer e esportes para as comunidades. A idéia, que já vem sendo implementada em cerca de mil escolas de alguns Estados, como o Rio e Pernambuco, foi discutida ontem com o representante da Unesco no Brasil, Jorge Werthein. Cristovam disse que a experiência mostrou que projetos desse tipo contribuem para uma redução de até 80% no vandalismo nas escolas. Segundo ele, os gastos com o projeto são inferiores aos custos para consertar escolas depredadas. "Não fazer isso é provável que custe mais." Além de reduzir o vandalismo, ao atrair os jovens, as escolas podem despertar neles a vontade de estudar, o que ajudaria no combate ao analfabetismo. "A nossa idéia é trazer os estudantes que não são bons alunos para que se tornem bons alunos", afirmou o ministro da Educação. Cristovam pretende tocar o projeto com os ministérios dos Esportes, Cultura e Justiça. Antes de discutir o Projeto Abrindo Escolas com o ministro, o representante da Unesco esteve com o ministro dos Esportes, Agnelo Queiroz. Segundo Werthein, o projeto atende cerca de 500 mil pessoas em seis Estados e funciona com voluntários. Werthein também concorda com a proposta "Para muitas pessoas, não há opção de lazer. Apenas bares", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.