Reprodução / Instagram
Reprodução / Instagram

Frota propõe a ministro 'ideias para a educação' e quer encontrar Temer

Ator e membro do grupo Revoltados Online tiveram encontro com Mendonça Filho, em seu gabinete, nesta terça-feira

Luísa Martins, O Estado de S.Paulo

25 Maio 2016 | 16h26

BRASÍLIA - Em meio à agenda atribulada de quem ainda está tentando tomar as rédeas do Ministério da Educação (MEC), o titular da pasta, Mendonça Filho, encontrou nesta quarta-feira, 25, uma brecha para receber, em seu gabinete, uma “visita de cortesia” do ator Alexandre Frota. Famoso por interpretar brutamontes na televisão, Frota levou até o MEC “ideias para ajudar o País”, que incluem o combate à “doutrinação” política, religiosa e sexual. O próximo passo é tentar uma reunião com o presidente em exercício, Michel Temer.

A reunião contou com a presença de outros representantes do movimento Revoltados Online, um dos principais grupos articulados contra políticos ditos de esquerda e do qual Frota é um  integrante ativo. Simpáticos ao governo Temer, eles apresentaram ao ministro uma proposta de ensino sem “imposição ideológica, seja marxista ou de gênero”.

“Mostrei para o ministro que cabe aos pais educar os filhos e passar a eles uma consciência política e religiosa. Isso não é papel do professor”, disse a advogada Beatriz de Sordi, ativista do movimento. Procuradora aposentada do Distrito Federal, ela recentemente conseguiu que Justiça condenasse o deputado Jean Wyllis (PSOL-RJ) a lhe pagar R$ 40 mil por danos morais, devido a “ofensas na internet” (ainda cabe recurso da decisão).

Frota publicou nas redes sociais que “foi bem recebido” por Mendonça e que o ministro teria ficado de “analisar” as propostas apresentadas. “Pude colocar algumas ideias para ajudar um País que eu amo”, redigiu o ator no Instagram, junto a uma fotografia da reunião. “Tenho certeza que iremos ajudar o nosso Brasil”, escreveu na legenda de outra foto, uma selfie com o titular da Educação, nomeado por Temer há cerca de duas semanas.

O encontro repercutiu na internet - principalmente entre os críticos do novo governo - e  não livrou Mendonça de ter de explicar os motivos que o levaram a receber Frota - que tem carreira em filmes pornô - em seu gabinete, o local mais nobre do MEC.

“Este ministério comporta a pluralidade e o respeito humano a qualquer cidadão”, justificou-se , destacando que as reações foram exageradas e configuram “discriminação” com o ator. “Não discrimino ninguém, porque respeito a liberdade de cada pessoa para fazer suas escolhas de vida.”

O ministro relatou que conheceu Frota e o “pessoal” do Revoltados Online durante os atos pró-impeachment de Dilma Rousseff. “Não vejo problema na visita. Discriminação é algo tão abominável e tão mal visto por todos os cidadãos com postura civilizada, que o fato de receber um ator como Alexandre Frota é uma questão que absolutamente deve ser respeitada", falou, julgando-se uma pessoa "não sectária". 

“Frota é uma pessoa do povo, é um artista, veio da pobreza. A carreira dele não é motivo de vergonha. É um brasileiro como qualquer outro”, disse Beatriz, surpresa com a “polêmica”.

Embora o próprio ator tenha divulgado nas redes sociais que o ministro "estudaria” as propostas e que “viriam novidades por aí”, Mendonça desconversou, afirmando que não houve pedidos especiais e que não assumiu nenhum compromisso com as ideias apresentadas durante o encontro, sobre as quais se negou a comentar.

“Não faço juízo”, disse. Beatriz Sordi afirmou que o ministro foi “equilibrado”, “disposto a ouvir todos os lados” e ainda teria recomendado que eles “prosseguissem com a luta”. 

O grupo também tinha intenção de visitar o ministro da Cultura, Marcelo Calero, que tomou posse esta semana. No entanto, chegaram sem avisar e não puderam ser recebidos, pois Calero passou o dia cumprindo compromissos internos dentro da pasta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.