Ministro da Educação quer levar modelo paulistano para o País

O ministro da Educação, Cristovam Buarque, cogitou a hipótese de o governo federal adotar o modelo dos Centros Educacionais Unificados (CEUs) da Prefeitura de São Paulo. Em visita à unidade em construção de Cidade Tiradentes, na zona leste, nesta quinta-feira, Cristovam elogiou a política da prefeita Marta Suplicy (PT) para o setor e fez um trocadilho com a sigla do projeto. "Se fizermos 2 mil, 3 mil CEUs como esse, o Brasil viraria ´céu´." Na terça-feira, o ministro levará ao Senado as diretrizes principais do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva para a educação. São três as "grandes linhas" de trabalho. "Vamos alfabetizar 20 milhões de pessoas em 4 anos e erradicar o analfabetismo; construir um modelo de escola para o País - esse ideal vai levar 15 ou 20 anos para ficar pronto; e tirar a universidade da crise atual", explicou. Segundo Cristovam, Lula quer deixar sua "marca na criação de um novo projeto para a universidade brasileira". Um dos pontos mais elogiados pelo ministro em relação ao CEU é o vínculo entre educação e cultura. Pelo projeto da Prefeitura, toda unidade terá teatro, orquestra, equipamentos de lazer e esportes e será aberta à comunidade. Outra idéia da administração paulistana que fará parte do programa federal é a distribuição de uniformes aos estudantes. Para Cristovam, a adoção de CEUs não compromete o ideal de unidade no sistema de ensino público. "Todas as escolas têm de ser de qualidade. Fazer 17 unidades é o primeiro passo para fazer 17 mil", argumentou. Na saída do canteiro de obras, o ministro conversou com um representante do Movimento dos Sem Universidade (MSU). Cerca de 20 jovens levaram uma faixa e cantaram gritos de protesto pedindo a construção de uma universidade pública na área do Complexo do Carandiru, na zona norte. Em seguida, o ministro conheceu o Projeto Ciência, desenvolvido em uma escola de ensino fundamental próxima ao futuro CEU de Cidade Tiradentes e o Telecentro de Guaianases, onde a população tem acesso à internet gratuita. No fim dessa visita, Marta comemorou: "Ganhei dois Telecentros e uma biblioteca", disse. Empresários da Gradiente, Valisère e Suzano, que acompanharam a comitiva, anunciaram a doação das novas unidades.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.