Gaby Faria/MEC
Gaby Faria/MEC

Ministro da Educação diz ser favorável à entrada da polícia nas universidades

Abraham Weintraub se referiu às universidades como "torres de marfim" e disse que a autonomia das instituições deve se dar também na área financeira

Lígia Formenti, O Estado de S.Paulo

14 de maio de 2019 | 13h47

BRASÍLIA - O ministro da Educação, Abraham Weintraub, afirmou na manhã desta terça-feira, 14, durante café da manhã com jornalistas, ser favorável à entrada da polícia nas universidades. "Autonomia universitária não é soberania", disse. Ele argumentou que, no passado, a regra pode ter feito sentido, mas atualmente é dispensável. "Entendo por que no passado foi criada essa soberania universitária. Mas hoje não tem necessidade de a polícia não poder entrar no campus", afirmou. "Por que as universidades têm regras diferentes do resto do Brasil?"

A relação entre o ministro e universidades federais se deteriorou nos últimos dias, depois do anúncio do contingenciamento de recursos para o setor e das críticas feitas ao desempenho de cursos de humanas. A Associação Nacional de Dirigentes de Ensino Superior (Andifes) publicou uma nota em que ressaltava, entre os argumentos, a autonomia universitária.

Nesta terça, Weintraub se referiu às universidades como "torres de marfim" e que a autonomia das instituições deve se dar também na área financeira, com a criação de mecanismos que permitam a busca de recursos e patrocínios.  "Hoje elas  não podem... Não estou falando em cobrar, sou contra cobrar dos alunos de graduação", disse. Mas, emendou, o ideal seria a criação de  mecanismos para que empresas se tornem  patronas de instituições, possam construir prédios, colocar nomes nas novas instalações. "Essas torres de marfim que a gente criou impedem que renda possa ser gerada para ser usada na pesquisa."

É esperada para a quarta-feira, 15, uma greve em protesto contra o contingenciamento de recursos do MEC, uma medida que atingiu sobretudo as universidades federais. Hoje, o prédio do MEC amanheceu cercado por homens da Força Nacional. O secretário executivo da pasta, Antoni Paulo Vogel, afirmou que a proteção foi pedida pelo MEC. "Temos de estar preparados para evitar qualquer tipo de problema. Simples assim."

Weintraub se esquivou de fazer comentários sobre a greve. Durante o café da manhã, ele condicionou a liberação dos recursos bloqueados à  aprovação da reforma da Previdência e não descartou novos cortes.

O ministro procurou, ainda, reduzir a importância do bloqueio sofrido pela pasta, citando outros ministérios que tiveram contingenciamentos maiores, como Defesa. Ele disse ter recebido 50 reitores nos poucos dias no cargo e que, de acordo com relatos,  a conta das universidades "a vida segue normal". "Se tiver algum problema vou até o Ministério da Economia, para abrir uma exceção. A gente vai atrás", afirmou. Mas, de acordo com o ministro, o impacto do bloqueio das contas seria sentido pelas universidades apenas no segundo semestre.

Weintraub queixou-se de estar sendo perseguido por críticos  e não poupou elogios à equipe econômica, em especial o ministro Paulo Guedes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.