Dida Sampaio/ Estadão
Dida Sampaio/ Estadão

Ministro comemora professores como prioridade da vacinação, mas lista é a mesma desde janeiro

Milton Ribeiro (MEC) celebrou no twitter; professores estão na lista desde janeiro, quando a Saúde divulgou plano nacional de vacinação contra a covid-19

André Shalders, Brasília, O Estado de S.Paulo

03 de março de 2021 | 22h16

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, comemorou na tarde desta quarta-feira, dia 03, a inclusão dos professores do ensino básico na lista de categorias prioritárias para vacinação do Ministério da Saúde (MS). No entanto, os professores estão na lista desde janeiro, quando o MS divulgou o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação Contra a Covid-19

"Visando o mais breve e seguro retorno às aulas presenciais, o presidente Jair Bolsonaro incluiu os profissionais da educação no grupo prioritário de vacinação contra o Covid-19. Obrigado por atender mais essa demanda do MEC, presidente", escreveu Milton Ribeiro em sua conta no Twitter, publicando também um ofício do MEC ao ministro da Casa Civil. A data do ofício foi suprimida na postagem do ministro, mas o documento é de outubro de 2020. 

Na noite de terça-feira, dia 02, o governo encaminhou ao Supremo Tribunal Federal uma Nota Informativa, de número 17/2021, elaborada pela Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS) do Ministério da Saúde, sobre a ordem de prioridade para a vacinação contra a Covid-19. No documento, o MS explica os critérios adotados para escolher quais grupos terão prioridade na vacinação - entre eles, os professores e outros profissionais da educação básica, além dos estudantes.

"É importante promover a proteção dos trabalhadores da educação, principalmente em um contexto de retomada das atividades. No entanto, sua priorização não deve se dar em detrimento dos grupos de maior risco de agravar e morrer pela doença. Impende destacar ainda que os trabalhadores da educação que estiverem dentro de algumas das condições de risco agravantes da covid-19 serão priorizados nos respectivos grupos característicos", diz um trecho da nota, que é assinada pelo titular da SVS, Arnaldo Correia de Medeiros, e datada do dia 19 de fevereiro. 

A nota foi encaminhada ao STF no bojo de uma ação de descumprimento de preceito fundamental (ADPF), a de número 754, movida pelo partido Rede Sustentabilidade e relatado pelo ministro Ricardo Lewandowski.

Procurado, o Ministério da Saúde reafirmou que a ordem de prioridade segue a mesma, e que o Plano de Vacinação será atualizado no site do ministério caso haja qualquer mudança. 

A reportagem procurou o Ministério da Educação para comentários, mas ainda não houve resposta. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.