Ministro anuncia programa de internet para escolas

O ministro das Comunicações, Miro Teixeira, disse depois de receber o cargo de seu antecessor, Juarez Quadros, que pretende reformular o progrma de implantação de serviço de internet nas escolas públicas, que pode se tornar internacional para facilitar a vinda de investimentos.O ministro também anunciou que José Guimarães Palácio Neto será o secretário-executivo do Ministério e que serão seus assessores diretos Ronaldo Vieira Júnior, Eugênio de Oliveira Braga e Ildson Rodrigues Duarte.Miro informou que pretende separar os equipamentos do contrato de prestação do serviço. "A questão do Fust não pode ser confundida com compra de computador", disse. Uma das possibilidades que estava sendo discutida pelo governo anterior, em conjunto com a Anatel, era o de separar o País em áreas, a exemplo do que foi feito com a telefonia, e realizar licitações após as quais os vencedores prestariam serviços para as escolas localizadas naquelas regiões. A prestação de serviços incluiria os computadores e manutenção e atualização dos programas ficariam sob responsabilidade da operadora.A concepção do ministro é de que o programa deve ser o de "cabeamento" das escolas, havendo a possibilidade de a ligação ser feita também por tecnologia sem fio. Para ele, a compra de computadores e de programas deve ser feita pelos Estados. (José Ramos e James Allen)O ministro das Comunicações, Miro Teixeira, informou também, na entrevista, que pretende paralisar a discussão sobre a tecnologia da TV digital para que todo o processo seja repensado. "A definição de TV digital não pode ser açodadamente consumada". Ele disse acreditar na possibilidade de o Brasil definir uma tecnologia própria para a TV digital em vez de escolher entre as três que estão sendo analisadas - européia, japonesa e americana. O problema da escala de produção, segundo o ministro, pode ser resolvida com parceria com países como a China e Índia. "Isso é um embrião de uma idéia", ressalvou ele, acrescentando que ainda não conversou sobre o assunto com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva.O ministro informou também que pretende paralisar a discussão sobre a tecnologia da TV digital para que todo o processo seja repensado. "A definição de TV digital não pode ser apressadamente consumada". Ele disse acreditar na possibilidade de o Brasil definir uma tecnologia própria para a TV digital em vez de escolher entre as três que estão sendo analisadas - européia, japonesa e americana.O problema da escala de produção, segundo o ministro, pode ser resolvida com parceria com países como a China e Índia. "Isso é um embrião de uma idéia", ressalvou ele, acrescentando que ainda não conversou sobre o assunto com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, com quem almoça nesta quinta-feira. Ele também se reúne com o presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Luiz Guilherme Schymura.Veja o índice de notícias sobre o Governo Lula-Os primeiros 100 dias e os ministériosVeja o índice de notícias sobre a transição nos Ministérios

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.