Ministério Público Federal pede que ex-reitor da UnB e mais dez acusados devolvam R$ 2,1 mi aos cofres públicos

O ex-reitor da Universidade de Brasília (UnB) Timothy Mulholland e mais dez pessoas foram acusadas pelo Ministério Público Federal no Distrito Federal (MPF/DF) de improbidade administrativa por desviar R$ 2,1 milhões dos cofres públicos. Eles já respondem a uma ação criminal pela mesma razão e agora o MPF/DF pede a devolução integral dos valores desviados por meio de contratos e convênios ilegais firmados entre 2003 e 2008. A ação será julgada pela 21ª Vara da Justiça Federal no DF.

Agência Brasil

02 Agosto 2011 | 19h34

O desvio de verbas na UnB foi descoberto em 2008, após divulgação de uso ilegal de recursos para reformar o apartamento funcional ocupado à época por Mulholland. Entre elas, a compra de uma lixeira de quase R$ 1 mil.

Investigações do MPF e da Controladoria-Geral da União (CGU) descobriram que o esquema funcionava com a ajuda de integrantes da diretoria da Editora da UnB (Edu). O reitor pediu demissão e o então diretor da Edu, Alexandre Lima, perdeu o cargo.

De acordo com as investigações, os contratos ilegais firmados pela universidade eram transformados em projetos, cuja execução era subcontratada por fundações privadas. A gestão financeira ficava com uma estrutura paralela coordenada por Lima. Também houve contratação de parentes dos envolvidos para serviços que não foram prestados. Segundo o MPFDF, o dinheiro era repassado de acordo com interesses de Lima e do então reitor da UnB.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.