Ministério espera dobrar oferta em 6 a 8 anos

Área é considerada estratégica, mas faltam professores e novos cursos

Lisandra Paraguassú, O Estado de S. Paulo

30 Novembro 2009 | 09h33

O Ministério da Educação está fazendo uma reordenação dos cursos de Engenharia e estabelecendo novas definições do que é cada curso, qual é a infraestrutura necessária e o que deve saber cada engenheiro. Hoje, com mais de duas centenas de denominações, a área abrange desde Arquitetura até Engenharia de Alimentos. A confusão, diz o ministério, dificulta a expansão da área.   "Não há dúvida que temos oferta insuficiente. São cerca de 1,3 mil cursos apenas e 300 mil alunos, muito menos do que era de se esperar", avalia a secretária de ensino superior do MEC, Maria Paula Dallari. "Precisamos definir áreas de atuação, infraestrutura mínima e deixar mais claras as necessidades para criar novos cursos."   De um modo geral, a qualidade dos cursos de Engenharia no Brasil é boa. É uma das áreas que tem a menor quantidade de cursos mal avaliados e seus alunos têm sempre algumas das maiores médias no Exame Nacional de Desempenho do Estudante (Enade).   Entretanto, o País precisa também de mais quantidade. O MEC espera dobrar a oferta no médio prazo, entre seis e oito anos. "São cursos que demandam estrutura mais sofisticada, corpo docente muito especializado. Por isso, tem uma expansão mais lenta. E no passado foi lento demais. Temos um grande déficit a suprir", explica Paulo Wollinger, diretor de supervisão e regulação do ensino superior. "O investimento público toma mais tempo e as escolas particulares têm dificuldade, porque o investimento é alto."   A avaliação de Wollinger é que 52 cursos de Engenharia entre 283 novos nas recém-criadas universidades federais é uma boa média. "O setor público precisa também investir em outras áreas onde há escassez, como ciências da saúde", diz.   Maria Paula Dallari, no entanto, afirma que o MEC pode passar a incentivar a criação de determinados cursos pelas particulares com recursos. O ministério tem, com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), uma linha de crédito para capital de giro e financiamento de expansão das instituições que pode ser concentrada para projetos das áreas consideradas prioritárias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.