Ministério de Educação alega empenho de 99% do autorizado

MEC ressalta que analisar o porcentual pago apenas em relação à dotação autorizada 'não demonstra o que efetivamente ocorreu'

Paulo Saldaña, O Estado de S. Paulo

26 Janeiro 2015 | 02h01

SÃO PAULO - O Ministério da Educação (MEC) defende como execução o porcentual de orçamento empenhado. Segundo nota da pasta, o governo empenhou 99% do orçamento autorizado de 2014. O mesmo índice é apontado nos outros três anos do governo Dilma Rousseff (PT). "Só pode haver pagamento mediante a entregue efetiva do produto/serviço por parte do fornecedor", argumenta a pasta.

O valor empenhado é o primeiro estágio da despesa pública. "O empenhado é uma indicação que o governo vai gastar recursos. É artifício utilizado no fim do ano para garantir recursos do orçamento. Se não empenhar, você perde", explica a pesquisadora da FGV-DAPP Andressa Falconiery.

No ano passado, o governo federal realizou alguns contingenciamentos de recursos. Houve atrasos, por exemplo, em bolsas de mestrado e doutorado desde novembro, como o Estado revelou em dezembro. Segundo a pasta, os pagamentos foram liberados para processamento no dia 9 de janeiro. O Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE), em que há repasse para escolas estaduais e municipais, também teve atrasos.

O MEC ressaltou em nota que analisar o porcentual pago apenas em relação à dotação autorizada, sem levar em consideração o crescimento do volume de pagamentos, "não demonstra o que efetivamente ocorreu". Em 2014, foram gastos R$ 79,7 bilhões, ante R$ 53,6 bilhões em 2011 - aumento de 49% no valor nominal. Com a atualização inflacionária, o salto de pagamentos foi de 25%. Entretanto, o governo deixou de gastar nos quatro anos cerca de R$ 88 bilhões de orçamento autorizado e não pago (em valores atualizados pela inflação).

Corte. O freio nos gastos já está valendo neste ano. Enquanto o orçamento de 2015 não é aprovado, foi congelado um terço das despesas de custeio. Só no MEC, a estimativa de corte é de R$ 7 bilhões no ano.

Mais conteúdo sobre:
Educação MEC

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.