Ministério da Saúde anuncia 1,6 mil novas bolsas de residência médica

Objetivo do investimento é atender às necessidades prioritárias do SUS

Estadão.Edu com Agência Saúde,

23 Outubro 2012 | 18h06

O Ministério da Saúde anunciou nesta terça-feira, 23, a ampliação do número de bolsas de residência médica que serão oferecidas no próximo ano. No total, serão financiadas 1.623 bolsas, em 19 especialidades com carência de profissionais - um aumento de 129% em um ano. A iniciativa faz parte do Programa Nacional de Apoio à Formação de Médicos Especialistas em Áreas Estratégicas e do Pró-Residência Multiprofissional. O órgão também anunciou a oferta de 1270 bolsas extras de formação multiprofissional.

 

Os cursos atendem às demandas mais urgentes do Sistema Único de Saúde (SUS). Para as bolsas de residência médica, serão aplicados R$ 129,1 milhões e outros R$ 36,3 milhões para as de caráter multiprofissional. O valor pago a cada estudante é de R$ 2.861,79 mensais.

O objetivo do Governo Federal é abrir 4 mil bolsas de residência médica e 3,2 mil vagas de residência multiprofissional até 2014. Atualmente o País tem 10.434 profissionais na etapa inicial da residência. Além do investimento em capacitação, outros R$ 80 milhões serão aplicados na melhora de infraestrutura dos hospitais e das Unidades Básicas de Saúde que ampliarem o quadro de residentes.

As instituições interessadas em expandir os programas de residência se inscreveram em edital divulgado em 2011. As especialidades médicas com maior demanda foram Clínica Médica, Cirurgia Geral, Pediatria, Obstetrícia e Ginecologia e Medicina de Família e Comunidade. Já as áreas de residência multiprofissional mais solicitadas foram Atenção Básica e Saúde Mental.

O recursos mensais para manutenção dos novos programas de residência serão recebidos pelos hospitais ao longo de 2013. O Ministério da Saúde planeja investir R$ 60 milhões em ajuda às unidades médicas. A verba para infraestrutura deve ser destinada à construção de bibliotecas, salas de estudo, laboratórios e compra de material permanente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.