Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Ministério da Educação reformula estágio de professores

Programa vai ofertar a alunos de licenciatura 80 mil bolsas com valor previsto de R$ 400; resultado depende de supervisão, diz especialista

Isabela Palhares e Leonencio Nossa, O Estado de S.Paulo

19 Outubro 2017 | 04h00

BRASÍLIA E SÃO PAULO - O Ministério da Educação (MEC) lançou nessa quarta-feira, 18, o Programa de Residência Pedagógica, que vai ofertar 80 mil bolsas para que estudantes de graduação façam estágio em escolas do ensino básico. A medida é uma reformulação do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid) - criado em 2007 e que teve seu tamanho reduzido desde 2014 - e faz parte da Política Nacional de Formação de Professores, que visa a qualificar docentes. 

+++ Filho de pedreiro e doméstica faz 'vaquinha' para intercâmbio em Harvard

Entre as ações anunciadas, também está a flexibilização das regras de acesso ao Programa Universidade para Todos (ProUni) para preencher 20 mil vagas ociosas - das 56 mil ofertadas - em licenciaturas de faculdades particulares. A partir do próximo ano, professores que desejam cursar uma segunda licenciatura pelo ProUni não precisarão comprovar renda. Diagnóstico feito pelo MEC identificou, por exemplo, que quatro em cada dez professores que dão aula de Língua Portuguesa não têm formação adequada para a disciplina. 

+++ Escolas particulares abrem as portas para estágio no ensino médio 

“O que estamos apresentando é um conjunto de ideias simples e práticas que podem mudar a condição dos professores”, disse o ministro da Educação, Mendonça Filho. 

Já há estágio curricular obrigatório em licenciaturas, mas nem sempre com bolsa. A residência não será obrigatória e o aluno poderá entrar no programa a partir do 3.º ano. A oferta será de 80 mil bolsas, que devem ser de R$ 400 mensais. O universo de alunos da área, porém, é de quase 1,5 milhão. 

“Pesquisas indicam que a qualidade do professor é o que mais influencia a melhoria do aprendizado”, disse a secretária executiva do MEC, Maria Helena Castro. O programa se concentrará, especialmente, nas áreas de Língua Portuguesa e Matemática, disciplinas que mais ocupam as grades das escolas. 

Entre os docentes que dão aula dessas matérias do 6.º ao 9.º ano do ensino fundamental e ensino médio, só 59,2% e 50,4%, respectivamente, têm formação adequada. 

Desafios

Mozart Ramos, do Instituto Ayrton Senna, acredita que é positivo entrar em contato com a prática, mas destaca a necessidade de boa supervisão. “O sucesso vai depender das credenciais da escola onde a residência será feita e do acompanhamento. A escola tem de estar preparada e em condições de ser espaço de aprendizado, como nos hospitais credenciados para a residência médica.” Segundo Maria Helena, o detalhamento do formato da residência ainda está em discussão.

“É necessário entender quem é esse aluno da licenciatura, em sua maioria de baixa renda e que precisa de apoio financeiro”, diz Paulo Carrano, professor da Universidade Federal Fluminense (UFF) e da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Educação.

Para Nilson Cardoso, do Fórum Nacional de Coordenadores do Pibid, é um erro substituir o programa atual pela residência. “Nosso desenho era o de desenvolver projetos em parceria com escolas, sob supervisão e orientação das universidades. Uma estratégia não deveria substituir a outra”. Em junho, o Pibid tinha 58,3 mil bolsistas - 14,8% a menos do que em 2015.

A Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) foi uma das pioneiras no País a instituir, em 2009, a residência como obrigatória para concluir o curso de Pedagogia. A carreira é oferecida em Guarulhos, na Grande São Paulo. Jane de Camargo, de 42 anos, está no último semestre da graduação e já fez a residência, além de ter sido bolsista do Pibid por dois anos.

“Foram duas experiências muito importantes para a minha formação e se complementaram. No Pibid, desenvolvemos um projeto, levamos uma nova proposta para a escola. Na residência, conheci a rotina do professor, acompanhando desde as reuniões pedagógicas até as festinhas”, contou a estudante, que pretende dar aulas no ensino fundamental.

Outras ações

O MEC também está desenvolvendo uma base nacional comum de licenciaturas, documento que norteará os currículos dos cursos de formação de professores. Esse documento vai passar por consulta pública em 2018. A pasta ainda informou que retomará a oferta de vagas em cursos a distância pela Universidade Aberta do Brasil, sem novas inscrições desde 2014. Serão 250 mil - 75% para licenciaturas.

 

88% dos formados em licenciaturas ganham até R$ 3 mil

Nove em cada dez profissionais do País formados em cursos de licenciatura recebem menos de R$ 3 mil. O dado é parte de levantamento divulgado nesta quarta-feira pelo Sindicato das Mantenedoras de Ensino Superior (Semesp). O estudo mostra a inserção no mercado de brasileiros que concluíram a graduação nos últimos dois anos. A pesquisa evidencia a desvalorização das licenciaturas. Enquanto 50% dos formados em cursos de bacharelado recebem menos de R$ 3 mil, na licenciatura o porcentual salta para 88%.

O estudo mostra ainda que dois de cada três alunos que terminaram o ensino superior estão trabalhando. Entre os alunos formados na rede pública, 21,8% ganham menos de R$ 1 mil e 54,4% têm salário entre R$ 1 mil e R$ 3 mil. Já entre os egressos da rede particular, a porcentagem dos que ganham menos de R$ 1 mil sobe para 23,1%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

ANÁLISE: Ação é boa, mas falta melhorar carreira

'O conceito de mentoria é estratégia importante em outros países que já logram sucessos expressivos na área'

Priscila Cruz*, O Estado de S.Paulo

19 Outubro 2017 | 04h00

A nova política, ainda que tímida, aponta em uma direção correta e alinhada a pontos-chave para o avanço da qualidade da formação docente, fundamental para garantirmos a tão distante aprendizagem a todos os alunos. Vale destacar a articulação entre centros formativos e redes de ensino, um itinerário formativo no ensino médio e a residência pedagógica.

+++ MEC reformula estágio de professores

Esta última iniciativa, embora careça de mais detalhes de como será implementada, é importante para aproximar a formação teórica no ensino superior do trabalho prático de salas de aula. 

+++ Acompanhe o blog 'De Olho na Educação'

Se ela se basear de fato no formato do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid), como foi dito pela pasta, os alunos de licenciatura terão acesso à realidade de forma supervisionada, permitindo que os futuros professores elaborem estratégias para os desafios pedagógicos ainda nos anos acadêmicos junto a mentores com experiência. Outro ponto positivo é o aprofundamento de laços entre a pesquisa acadêmica e a didática dos docentes.

O conceito de mentoria é estratégia importante em outros países que já logram sucessos expressivos na área, como no caso da Inglaterra, destaque no Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa), que aposta no preparo de graduandos com o auxílio de tutores.

Apesar dos pontos positivos, é fundamental avançarmos em outros tópicos: criar uma política que articule referenciais de atuação docente bem definidos, planos de carreira estruturados, melhores condições de trabalho nas escolas e melhores formas de atratividade para a carreira. Além disso, falta esclarecer como se dará a adequação e a regulação das licenciaturas e pedagogias em relação ao novo patamar formativo. 

*PRISCILA CRUZ É PRESIDENTE DO MOVIMENTO TODOS PELA EDUCAÇÃO

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.