HSM University
HSM University

Método Scrum promete gestão rápida e flexível de projetos

Atualmente, ganha evidência nos círculos de gestão a metodologia Scrum, que pode ser definida como uma estrutura simplificada para gerir projetos complexos, com atributos como transparência, inspeção constante e adaptação

Entrevista com

Marco Santos, da HSM University

Redação, Estadão.edu

20 de março de 2020 | 17h45

Se há uma unanimidade no meio corporativo, é a busca por ganhos de produtividade. A meta instiga o lançamento de métodos, livros e propostas que prometem os mais variados níveis de resultados – desde os mais realistas até os praticamente milagreiros. 

Atualmente, ganha evidência nos círculos de gestão a chamada "Metodologia Scrum". Em síntese, pode ser definida como uma estrutura simplificada para gerir projetos complexos, com atributos como transparência, inspeção constante e adaptação. 

Um dos guias mais populares do método é o livro "Scrum: a arte de fazer o dobro do trabalho na metade do tempo". Seu autor, Jeff Sutherland, foi piloto militar nos Estados Unidos e adaptou para o ambiente corporativo sua experiência na condução de missões aéreas. 

Ao mesmo tempo em que explica formas de reduzir os custos e horas imputadas a cada trabalho, a obra descreve a possibilidade de ganhos de produtividade surpreendentes, que beiram os 800%

Especialista no tema, o professor Marco Santos, da HSM University, explica na entrevista a seguir como funciona e quais são as principais vantagens do Scrum.

O método Scrum tem se popularizado entre gestores como forma de otimizar os trabalhos e proporcionar melhores resultados. Para você, qual o diferencial dessa abordagem?

A atuação com métodos ágeis proporciona uma série de benefícios, não somente para os gestores, mas também para as equipes e clientes. O Scrum permite que sejam realizadas entregas constantes em um período de tempo relativamente curto, de aproximadamente duas semanas: as chamadas sprints. Ainda que, evidentemente, o projeto como um todo não seja entregue nesse período, cada sprint já deve começar a fazer entregas de valor ao usuário. O cliente já tem benefícios desde o início do projeto.

Outra vantagem é conseguir lidar com mudanças de escopo de um jeito bastante positivo. A cada sprint são revisadas as próximas entregas, o que pode contemplar, por exemplo, mudanças recentes no mercado ou regulatórias. Então, não precisa esperar o final do projeto para se fazer alterações significativas, que podem custar a satisfação do cliente, aspectos legais ou oportunidades de mercado. 

Claro que o método tradicional, conhecido como waterfall ou cascata, tem o seu valor. Mas deve ser aplicado para aqueles casos que temos o horizonte bem definido, com entregas claras. Porém, esse método pode sofrer mais com mudanças de escopo durante sua execução, o que pode incorrer em custos adicionais. Já os métodos ágeis se adaptam melhor a situações de mudança de escopo.

Por fim, além da celeridade e flexibilidade, o Scrum também promove a motivação das equipes, que atuam com bastante autonomia e se sentem como parte realmente importante de entregas constantes e de valor.

Um dos diferenciais do Scrum é trocar o gerente de projetos pela figura do "scrum master". Qual a diferença entre as funções?

O scrum master, para aqueles que não estão familiarizados com os métodos ágeis, pode causar inicialmente a impressão de que se trata do mesmo papel de um gerente de projeto. Porém, as atividades são bastante diferentes. O scrum master tem como desafio ser um facilitador e um coach, zelando pelo método e seus rituais. Já um gerente de processos geralmente coordena várias equipes, sendo responsável por questões como cronograma, orçamento e alocação de times.  

Muitas vezes, o scrum master acaba atuando em um ou dois projetos scrum simultaneamente. Como facilitador, atua para remover as eventuais barreiras que possam atrapalhar o desenvolvimento do projeto. Além disso, apoia a equipe na estimativa e melhoria da velocidade de entregas e também exerce papel fundamental na comunicação do projeto, que deve ocorrer de forma contínua. 

No Scrum, o papel do gerente de projetos tradicional acaba sendo diluído entre a equipe do desenvolvimento, o scrum master e o dono do produto (ou product owner). Uma vez definido o que deve ser entregue em cada sprint, a equipe tem autonomia para distribuir suas tarefas internamente da forma como achar melhor e mais produtivo. 

Essa é uma grande quebra de paradigmas em relação ao método tradicional, em que os gestores fazem questão de interferir em todo esse desenvolvimento. Dito isso, o papel do scrum master também é o de ajudar a ajustar a cultura da empresa para o novo modo de operar. Não adianta mudar a metodologia se a mentalidade não mudar.

Se a metodologia scrum propõe equipes de trabalho autoorganizadas, sem a figura de um gerente de projetos, então, em tese, a figura do scrum master não se tornaria desnecessária?

Podemos dizer que o papel do scrum master, quando realizado na sua plena excelência, é trabalhar para deixar de ser necessário. O scrum master pode ter seu papel dividido em três grandes momentos em uma organização, de acordo com o grau de maturidade de implementação do programa. Conscientização: ao se iniciar a aplicação do método e dos seus fundamentos, o scrum master é fundamental para criar essa cultura na organização. Desenvolvimento: cabe a ele apoiar a equipe de desenvolvimento e o dono do produto, sugerindo novas técnicas. Maturidade: quando os conceitos e métodos já estão plenamente difundidos, rodando com excelência, é o momento de se iniciar a formação de novos times. Nessa hora, a atuação do scrum master deve ser de um especialista, com a responsabilidade de manter a cultura dos métodos ágeis.

Para quem deseja se tornar um scrum master, é melhor um curso de longa duração, como um MBA, ou cursos de curta duração são suficientes? 

Entendo que cursos de curta duração consigam fornecer embasamento técnico de boa qualidade para o início nesse papel. Porém, é importante ter consciência de seus limites e começar aplicando em projetos de escopo mais reduzido e um ambiente controlado, preferencialmente com o apoio de algum scrum master com maior experiência. A excelência começa com a teoria, mas a prática de condução de cinco ou mais projetos é essencial para conhecer as dificuldades do dia a dia e saber como lidar com as diferentes possibilidades de solução.

Cursos de longa duração, como um MBA, podem aprofundar conhecimentos inclusive em disciplinas complementares que são importantes na jornada de um projeto, seja num projeto tradicional ou conduzido pelos métodos ágeis. 

Em uma empresa que deseja implantar a metodologia scrum, é melhor contratar um profissional scrum master ou designar alguém da equipe para que se torne um? 

A contratação de um profissional experiente pode ser bastante útil para acelerar a implementação da metodologia e da cultura. Além disso, ele pode atuar como coach de profissionais da própria empresa que desejem ou sejam convidados a atuar como Scrum Master. 

Outro benefício importante é demonstrar para a organização que a empresa está de fato investindo nessa nova mentalidade e forma de atuar. O profissional não é enviesado com a cultura existente e sabe do seu desafio de quebrar o status quo, o que não é fácil. 

A formação de um profissional da área também é válida, porém, necessita ser feita com cuidado para não expor uma pessoa ainda inexperiente a um processo que não é tão simples. É importante que seja feita com cuidado, com escopo reduzido e, principalmente, com apoio da gestão. Caso contrário, existe a chance da equipe não "comprar" o método, de se fazer um híbrido entre a metodologia tradicional com a ágil, o que seria o pior dos mundos, e acabar por criar tamanha resistência na empresa que o método possa ser abandonado. 

Apesar de bastante difundido em setores de tecnologia, o método scrum vem sendo aplicado em diversas áreas. Em quais áreas ele é indicado? 

O método tem sido adotado cada vez nas demais áreas da organização, além de TI. Isso ocorre porque a TI começou o movimento, mas não deveria ser ela o principal condutor da organização e, sim, as áreas de negócio.  A estrutura do Scrum pode ser empregada nas mais diversas áreas que precisam desenvolver seus produtos e serviços alinhados ao conceito de entregas rápidas e customizadas. Mesmo áreas tradicionalmente de apoio, como RH, Compliance, Facilities, Compras e afins devem estar preocupadas em modificar seu modelo de negócios, para que possam ser vistas como parceiras das áreas de negócio e não como centros de custos burocráticos e lentos. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.