Divulgação/SAEA
Divulgação/SAEA
Conteúdo Patrocinado

Mendel e São José se tornam referência internacional em ensino híbrido

Nos colégios, aulas remotas contam com plataforma que permite mais interatividade em grupo

SAEA, Media Lab Estadão
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

19 de outubro de 2020 | 14h45

A transição da mesa escolar para a escrivaninha de casa, logo no início da pandemia do novo coronavírus, exigiu dedicação e novas habilidades de alunos, pais e professores. Além da adequação de todo o conteúdo pedagógico, os colégios Mendel e São José, mantidos pela Sociedade Agostiniana de Educação e Assistência (SAEA), adotaram uma das mais modernas plataformas de ensino híbrido disponíveis internacionalmente, o Cisco Webex, que permite não apenas a transmissão das aulas ao vivo, mas uma série de interações, sondagens e atividades online em grupo.

“Temos a vantagem de já estarmos acostumados a usar a tecnologia a favor da aprendizagem, com todas as nossas salas de aula e laboratórios equipados com lousas digitais, projetores e computadores, e o uso de Chromebooks e aplicativos de ensino em todos os níveis. A adequação à nova realidade de aulas online demandou treinamento e dedicação de toda a equipe pedagógica, mas rapidamente nos adaptamos e conseguimos retomar o ritmo”, relembra Vagner Silva, coordenador pedagógico do ensino médio do Agostiniano Mendel.

Graças aos resultados obtidos do ensino infantil ao ensino médio, o Mendel e o São José foram apontados pela multinacional de tecnologia Cisco, detentora da plataforma, como referência em ensino híbrido em toda a América Latina. Silva explica que a interação entre alunos e professores foi fundamental para um aprendizado adequado mesmo a distância. Usando os recursos da tecnologia, a participação dos alunos foi estimulada por meio de atividades pedagógicas online, como saraus e debates em grupo.

Mudanças para ficar

As novidades trazidas para os alunos durante a pandemia, segundo Silva, deram mais dinamismo às aulas, e algumas das mudanças devem permanecer mesmo com a volta do modelo presencial. O coordenador destaca duas mudanças que serão adotadas. Uma delas são os cursos online para vestibulares específicos, que passarão a ser oferecidos aos estudantes da terceira série do ensino médio a partir de 2021. A outra são as reuniões virtuais com os pais – algo que foi adotado a partir da crise de saúde e que teve uma adesão grande.

Agora, com a autorização da Prefeitura de São Paulo, Mendel e São José passam a adotar progressivamente o modelo híbrido de aula – com o conteúdo principal ministrado online e atividades extracurriculares oferecidas no outro turno. Quem está matriculado na última série do ensino médio, por exemplo, vai contar com um conteúdo especial relacionado à segunda fase do vestibular, com mais questões discursivas.

Essa diversidade de abordagem pedagógica, com o aluno estimulado a participar do processo de aprendizado, reforça a qualidade de ensino dos colégios da SAEA. Tanto Mendel quanto São José são escolas muito bem posicionadas no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e contam com um índice elevado de aprovação nas principais universidades do País. A SAEA mantém ainda o Colégio Agostiniano Nossa Senhora de Fátima, em Goiânia, que segue as mesmas diretrizes de infraestrutura.

Para 2021, além de todo o investimento em aulas híbridas, a SAEA priorizou a saúde, adotando uma série de protocolos de segurança e higiene, com orientação da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein. Além de elaborar o plano de retorno às atividades presenciais dos colégios SAEA, o Einstein foi responsável pelo treinamento dos colaboradores e fará auditorias mensais em todas as unidades de ensino da mantenedora. O mesmo cuidado foi adotado nas quatro creches beneficentes mantidas pela SAEA, que atendem mais de 2 mil crianças gratuitamente e também contam com protocolos do Einstein para a retomada de suas atividades.


Leia também:

Qualidade de ensino se traduz em resultados 

Foco no conhecimento e abordagem humanista levam a alto nível de aprovação no vestibular 

Quem passa pela primeira vez em frente ao Colégio Agostiniano Mendel, no bairro do Tatuapé, Zona Leste de São Paulo, se impressiona. Com ares futuristas, as instalações já adiantam a mensagem de que ali se prioriza o interesse pelo conhecimento.  

 Desde a educação infantil até o ensino médio, a formação no Mendel dá meios ao aluno de desenvolver capacidades que permitam intervir na realidade para transformá-la, contribuindo na formação ética e no crescimento educacional. Os resultados aparecem nos altos índices de aprovação no vestibular, que alçou a escola ao grupo de instituições de ensino com melhor desempenho no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em todo o Brasil. Neste ano, foram 787 aprovações, com 340 em universidades públicas e 447 em particulares. Cerca de 80 desses alunos foram admitidos em cursos de medicina, uma das carreiras mais concorridas do País. 

 Por conta dessa performance, a escola, que está com as matrículas para 2021 abertas, é destaque na relação custo-benefício e tem atraído cada vez mais estudantes de várias regiões da cidade. 

Formação ampla

 Além da preparação para o vestibular no Brasil, o Mendel oferece como opção o programa International School, que dá ao aluno a oportunidade de estudar fora do Brasil por meio da dupla certificação.  Quem opta pelo programa High School, oferecido aos alunos a partir do 9º ano do ensino fundamental, terá durante três anos as disciplinas do currículo americano, ministradas por professores nativos da Texas Tech University.  

 O colégio, que é mantido pela Sociedade Agostiniana de Educação e Assistência (SAEA), conta ainda com cursos preparatórios para os exames Cambridge English Assessment, em todos os níveis do programa, e Middle School, oferecido em parceria com a HSE e a Brigham Young University (BYU) para quem cursa o 7º e o 8º anos. O currículo é interdisciplinar e 100% em inglês.  

 Além de contar com uma matriz curricular alinhada às novas regras da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), definida pelo Ministério da Educação (MEC), o Mendel dispõe de uma série de opções extracurriculares, como o projeto de iniciação científica “Vivendo a Ciência”, voltado aos alunos do 6º ao 9º anos. Nele, os professores oferecem ferramentas para o aprofundamento do conhecimento e estimulam a curiosidade sobre ciência e tecnologia. 

Com a chegada da pandemia do novo coronavírus, o Grupo SAEA, do qual o Mendel faz parte, investiu em alta tecnologia para as aulas híbridas. As 327 salas estão equipadas com câmeras de alta definição, projetores interativos e todo um sistema multimídia, que garantem a qualidade da transmissão e a interação entre os alunos que estarão em sala de aula ou em casa. “Estamos proporcionando uma experiência completa de aula, mesmo que remota, com os alunos podendo fazer perguntas de casa e escutando os amigos”, avalia Eduardo Flauzino Mendes, diretor-geral dos colégios da SAEA. Prevendo a retomada segura das aulas presenciais, o grupo contratou a consultoria da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein para a elaboração dos protocolos de saúde e segurança. 


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.