Davi Lira/Estadão
Davi Lira/Estadão

Medalhista de ouro vira exemplo em cidade do interior do Piauí

Sandoel Vieira teve destaque na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas

Davi Lira, de O Estado de S. Paulo, enviado especial a Cocal dos Alves (PI),

08 Dezembro 2012 | 18h26

É ele quem melhor traduz o termo “efeito multiplicador”. A expressão é usada pelos professores da Escola Estadual Augustinho Brandão quando mencionam alunos que devem ser vistos como modelo. E coube a Sandoel Vieira, de 19 anos, carregar esse adjetivo desde 2006, quando se tornou o primeiro aluno da escola a ganhar uma medalha de ouro na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas.

 

“Sandoel é referência para todo mundo”, conta a irmã, Samara Brito, de 17 anos, aluna do 3.º ano na mesma escola onde o irmão estudou. Em 2011, o rapaz deixou Cocal dos Alves e partiu para Teresina. “Um dos primeiros objetivos que tracei, o de entrar na faculdade, já consegui alcançar. Agora, já estou indo para o 4.º período de Matemática na UFPI”, diz.

 

A desenvoltura de Sandoel na área de exatas fez com que fosse incentivado a frequentar disciplinas do mestrado. Aconselhado pelo professor João Xavier da Cruz Neto – seu orientador desde a primeira vitória na olimpíada –, Sandoel aceitou o desafio de cursar o mestrado (como ouvinte) junto com a graduação.

 

“Ele foi um dos selecionados entre mais de 140 alunos que disputavam as 20 vagas do programa de pós-graduação. E da turma todos já o consideram o melhor do grupo”, diz o conterrâneo Vitaliano Amaral, de 29 anos, aluno do mestrado.

 

“Ele não é bom, ele é muito bom”, diz o professor Antonio Cardoso do Amaral, seu tutor. E esses incentivos dos professores foram fundamentais para a trajetória trilhada pelo filho da dona de casa Francisca Brito. “Eles sempre apoiaram muito e ele sempre teve vontade de estudar”, diz Francisca.

 

De Cocal dos Alves, restam as saudades do pai, da mãe e das três irmãs. “A distância sempre traz saudades, mas não pretendo voltar. Quero seguir carreira acadêmica e me tornar um grande pesquisador”, promete.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.