MEC tenta controlar mercado do lato sensu

O Ministério da Educação começou em maio a cadastrar as instituições de ensino superior que oferecem cursos de pós-graduação lato sensu, em que se encaixam os MBAs. Até agora, 1.102 das 2.096 universidades, faculdades e centros universitários do País informaram que têm os cursos.O crescimento da pós-graduação - sem fiscalização - motivou o cadastro, que ainda não tem prazo para acabar e deve culminar numa avaliação do setor.O momento atual é de transição, dizem especialistas. Seja pelo futuro controle do ministério ou pela seleção do mercado, só os melhores cursos continuarão a ter espaço.Aproveitando a marca"Muita gente se aproveitou da marca e criou MBAs focados", diz o diretor da Faap MBA, Tharcísio Santos. Ele defende que os cursos devem ser genéricos, com programas apenas sobre administração e negócios, como ocorre nos EUA."O nome MBA dá a idéia de que o curso tem um lado financeiro", afirma o diretor da Universidade Anhembi Morumbi, Airton Embacher, que tem MBAs em Moda, Marketing, Gestão de Vendas e Gestão Estratégica de Segurança Empresarial, entre outros.Oito instituições se reuniram recentemente para lançar a Associação Nacional das Escolas de MBAs (Anamba), estipular critérios e dar selos de qualidade.  leia também  MBAs começam a perder o embalo no País     Apoio à formação continua, mas subsídio cai  

Agencia Estado,

06 de agosto de 2004 | 12h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.