MEC levanta os índices municipais de analfabetismo

O MEC criou um estudo para identificar o número de analfabetos no País por município. O ministro Cristovam Buarque vai receber o mapeamento resultante esta semana. Sobre ele, vai traçar os próximos planos de alfabetização nacional."Vamos ter inclusive os nomes e os endereços dessas pessoas" , disse Cristovam, que esteve ontem em São Paulo para participar de reuniões com banqueiros e empresários. Segundo o Instituto Nacional de Pesquisas e Estudos Educacionais (Inep), o levantamento está pronto e deve ser entregue esta semana ao ministro. O resultado deve ter também cruzamento de dados como renda e rede de ensino disponível do município. "É como um mapa de guerra. Queremos saber quantos analfabetos tinha ali, quantos tem e quantos serão alfabetizados na próxima semana." Em um dos encontros desta segunda-feira, Cristovam pediu ao presidente da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Gabriel Jorge Ferreira, ajuda no gerenciamento do programa Brasil Alfabetizado. "Não é simples você ir onde estão 20 milhões de analfabetos e organizar 100 mil alfabetizadores. O setor privado sabe fazer bem melhor essa logística que o público." Cristovam diz que o MEC está pedindo ao Banco Mundial R$ 5,6 bilhões, que serão usados para compra de livros didáticos, equipamentos pedagógicos, transporte escolar e reforma de 145 mil das 180 mil escolas estaduais e municipais do País. "A LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação) não explicita com clareza a função da União, dos Estados e do município e esse é talvez o maior problema administrativo", disse. Para ele, o governo federal coloca "pouquíssimo dinheiro" na educação. Este ano, devem ser gastos R$ 72 bilhões no País, R$ 18 bilhões vindos da União.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.