MEC e Inep chamam universidades para ampliar banco de itens do Enem

Meta do governo é chegar a 100 mil questões testadas e aprovadas para serem aplicadas na prova; atualmente, Inep tem 10 mil

Estadão.edu, com informações da Agência Brasil

29 Março 2011 | 10h31

As instituições públicas de ensino superior vão participar da elaboração do banco de itens do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) a partir deste ano. O objetivo é aumentar o número de questões disponíveis para que o governo possa aplicar duas edições da prova ao ano. O investimento nesse projeto será de R$ 100 milhões.

 

As questões do Enem deixarão de ser feitas exclusivamente por professores ou especialistas contratados diretamente para a tarefa. Atualmente, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), órgão do MEC responsável pelo Enem, tem cerca de 10 mil questões no Banco Nacional de Itens (BNI) do Enem – a meta é chegar a 100 mil.

 

Cada edição do exame é formada por 180 questões. As universidades federais, estaduais e municipais, além dos institutos federais de educação profissional podem se cadastrar para participar do edital a partir desta quarta-feira, 30. Elas serão pagas pelos itens elaborados, testados e aprovados.

 

Segundo a presidente do Inep, Malvina Tuttman, a ideia é aproveitar a experiência acumulada pelas universidades na elaboração dos seus vestibulares para “engordar” o BNI. “É importante envolver cada vez mais as instituições públicas de ensino superior (no Enem). Elas vão compartilhar de forma mais sistêmica”, explica. Tuttman diz que as instituições já demontraram interesse em participar do projeto. Elas deverão formar equipes para elaborar as questões nas quatro áreas que são avaliadas no Enem: linguagens e códigos, ciências da natureza, ciências humanas e matemática.

 

Um banco de itens mais completo permitirá no futuro a informatização das provas do Enem. O ministro Fernando Haddad espera que esse modelo, já utilizado em países como os Estados Unidos, comece a sair do papel em até três anos. Pelo sistema CAT (Computer Adaptive Testing), o candidato faz a prova em um terminal capaz de gerar uma prova diferente para cada um. Isso é possível porque a metodologia adotada no Enem é a Teoria de Resposta ao Item (TRI), um modelo que atribui pesos diferentes às questões em função do número de erros e acertos obtidos pelos candidatos.

 

“O desenho dessa sala de aplicação está em estudo e assim que for concluído vamos soltar um segundo edital para instituições que queiram se habilitar para aplicar o exame”, informou Haddad. Inicialmente, essas salas vão servir para testar os itens que vão ser incluídos no BNI. “A informatização necessita da instalação de áreas próprias para aplicação do exame nesse formato, o que exige a aquisição de equipamentos próprios por parte daqueles que vão se habilitar. Não é só o terminal, mas toda uma infraestrutura de segurança”, explicou o ministro.

 

De acordo com Haddad, o Inep ainda não definiu a partir de quando o Enem passará a ter mais de uma edição por ano. O mais provável é que o próximo edital já tenha a previsão da edição deste ano e de outra prova para o primeiro semestre de 2012. “Temos que dar início a esse processo”, afirmou.

Mais conteúdo sobre:
Enem Inep MEC TRI Fernando Haddad

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.