MEC diz que problemas em matrículas do Sisu são pontuais

De acordo com a pasta, apenas cinco instituições apresentaram alguma irregularidade no 1º dia de matrícula

Agência Brasil,

29 Junho 2012 | 22h46

O Ministério da Educação (MEC) divulgou nota negando que as matrículas dos aprovados no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) tenham sido interrompidas pela greve dos servidores das instituições federais. De acordo com o governo, foram registrados problemas apenas em algumas universidades e os prazos continuam mantidos.

De acordo com a Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores das Universidades Públicas Brasileiras (Fasubra), o processo de matrícula em 48 universidades e institutos federais que participam do Sisu tinham sido interrompidos por decisão do comando de greve nacional. Entretanto, de acordo com o MEC, um balanço do primeiro dia de matrículas apontou problemas nas universidades federais do Ceará (UFC), Piauí (UFPI), do Recôncavo da Bahia (UFRB) e de alguns campi da Federal do Tocantins (UFT) e da Tecnológica do Paraná (UFTPR).

Segundo a nota divulgada pelo MEC, neste primeiro dia foi constatado “o esforço dos reitores para assegurar o direito dos estudantes em 21 universidades federais” que participam desta edição do Sisu. “O MEC faz o acompanhamento das matrículas, caso a caso, e orienta as universidades que enfrentam problemas mais agudos com o movimento grevista dos funcionários para que lancem mão do sistema de matrículas pela internet”, diz o texto.

O Sisu foi criado pelo MEC para unificar a oferta de vagas em universidades públicas, que são disputadas pelos estudantes a partir da nota obtida no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Nesta edição, 642 mil candidatos participaram da disputa de cerca de 30 mil vagas.

A matrícula dos aprovadas em primeira chamada começou hoje e terminar em 9 de julho. O MEC alerta que os estudantes deverão prestar atenção aos prazos. Após esse período está prevista uma segunda chamada para ser divulgada em 13 de julho.

Mais conteúdo sobre:
Sisu MEC matrículas greve

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.