MEC determina o encerramento de quase 16 mil vagas em 86 cursos da Universidade São Marcos

Determinação faz parte do processo de descredenciamento da universidade, iniciado em março

Estadão.edu,

01 Junho 2012 | 17h21

Nesta sexta-feira, 1º, o Ministério da Educação (MEC) determinou o encerramento de 15.910  vagas da Universidade São Marcos, em São Paulo. O corte implicará no fechamento de 86 cursos. Consultado, o MEC esclareceu que as vagas cortadas não estavam necessariamente preenchidas, mas a instituição perdeu o direito de ofertá-las. O órgão não soube informar se ainda restarão vagas para serem encerradas.

De acordo com a portaria publicada no Diário Oficial da União, os alunos que ingressaram até o dia 28 de março de 2011 terão os cursos reconhecidos em diplomas e registros. Consultada por volta das 16h desta sexta-feira, Maria Aurélia Varella, reitora da São Marcos, disse desconhecer a nova publicação. Maria Valéria confirmou apenas que já providenciou a documentação para transferência da maioria dos alunos, mas que há processos ainda em andamento, principalmente no câmpus de Paulínia.

A determinação do MEC faz parte do processo de descredenciamento da universidade, iniciado no dia 26 de março. A partir dessa data foi estabelecido um prazo de 90 dias para que a instituição encerre todas as atividades e transfira os alunos restantes. De acordo com o órgão, no entanto, os alunos que não conseguirem transferência até o final do prazo não serão prejudicados. Além disso, os estudantes que se formarão ao final deste semestre continuam tendo aula regularmente e receberão um diploma validado.

A universidade está sob intervenção judicial por descumprimento de obrigações trabalhistas desde setembro de 2011. Uma medida cautelar do governo federal determinou a suspensão do ingresso de novos alunos até que a análise documental do recredenciamento fosse finalizada. A universidade, no entando, não cumpriu a determinação e anunciou três processos seletivos em janeiro de 2012.

* atualizado às 20h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.